Assembleia de São Paulo debate centenas de projetos ‘inócuos’

Paula Reverbel e Pedro Venceslau - 16/06/2019 09:23


Em janeiro de 2018, o Diário Oficial paulista publicou uma lei "autorizando" o governo estadual a instalar, em Itapeva, um restaurante do Programa Bom Prato - que oferece refeições saudáveis e acessíveis à população de baixa renda. Um ano e meio depois, a equipe técnica responsável pelo programa afirma não ter nada em andamento sobre o assunto.

Emparedados entre Câmara dos Deputados e câmaras municipais, os deputados estaduais - que têm, pela Constituição Federal, competência para legislar sobre pouca coisa - buscam visibilidade apresentando centenas de projetos sem efeito prático, que consomem tempo nas comissões, mobilizam técnicos e retardam a tramitação de outras pautas.

A prática de apresentar projetos de lei "autorizativos" - que, se aprovados, concedem licença para que o governo realize ações que nem sequer planeja ou deseja concretizar - levou parlamentares da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) a entregarem 266 propostas na Legislatura passada, entre 15 de março de 2015 e 14 de março deste ano, segundo levantamento feito pelo Estado.

Desses, 25 foram aprovados em plenário, mas nenhum saiu do papel até hoje. Entre os que receberam o aval da Assembleia, apenas 11 foram sancionados pelo governador. Dos 11, cinco versam sobre algo que já era feito pelo governo independentemente da Alesp, três não deram em nada e outros três ainda têm chance de sair do papel.

As informações sobre o desfecho das propostas aprovadas foram levantadas pelo governo a pedido da reportagem.

Há ainda um conjunto de 14 projetos autorizativos aprovados pela Assembleia e integralmente vetados pelo governador. Em cinco desses casos, os deputados derrubaram o veto e promulgaram as leis, fazendo valer uma autorização ao governo que ele próprio não quis.

Apesar de a maioria não chegar nem sequer a ser aprovada, técnicos da Alesp relatam um desgaste de tempo e energia em função dos autorizativos, que deixam a pauta mais longa. A maior parte - 251 - chegou a ser designado para três comissões da Alesp antes de ser arquivada. Além disso, 165 tiveram ao menos um parecer publicado.

Técnicos ressaltam ainda que o trabalho é feito em função de algo que fica a critério do Poder Executivo realizar ou não.

Na gestão Alckmin, a Procuradoria-Geral do Estado fez uma recomendação de rejeitar todos os projetos autorizativos. "Esses projetos são inconstitucionais. A Assembleia não pode autorizar o governador a fazer alguma coisa que é da competência dele exclusiva", disse ao Estado o ex-procurador Elival da Silva Ramos.

A apresentação de propostas autorizativas vem sendo questionada por parlamentares da nova legislatura. "Nem tudo no Legislativo é político, temos funções técnicas também. Projetos autorizativos de iniciativa do Legislativo são medidas políticas que distorcem uma função que deveria ser técnica baseada na Constituição", disse o deputado Heni Ozi, líder do Novo na Casa.

Para Barros Munhoz (PSB), veterano da Assembleia e ex-líder do governo Geraldo Alckmin, os autorizativos são "uma forma de conviver com essa norma draconiana de que as assembleias não podem legislar sobre nada". "Hoje 90% cabe à União legislar. Isso torna inconstitucional a maioria os projetos da Assembleia", afirmou.

A deputada Mônica Seixas (PSOL), da bancada ativista, reconhece que os autorizativos não determinam a execução de propostas, mas diz que eles ajudam a pautar temas relevantes.

"É a partir da apresentação de um projeto de lei que a proposta nele contida é debatida na Casa e que se pode convocar uma audiência pública, por exemplo. Acabar com os autorizativos, sem oferecer uma alternativa, limita as possibilidades de pautar a agenda pública", disse.

A deputada Marina Helou (Rede), vice-presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Redação da Alesp, afirmou que os membros do colegiado firmaram recentemente o entendimento informal de que não se aceitará mais grandes volumes de autorizativos.

Segundo ela, em uma sessão recente da CCJ, 12 de 130 projetos em pauta tinham esse rótulo - em torno de 10%.

De acordo com Conrado Hubner Mendes, professor de direito constitucional da USP, a competência dos deputados estaduais é residual, trata-se de um espaço limitado para se legislar. "A repartição de competências está explícita na Constituição Federal e a União tem uma lista enorme de competências específicas. E há competência genérica sobre interesse local, que vai se consolidando aos poucos", disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Seja o primeiro a comentar esta notícia.


Participe! comente esta notícia
informe o seu nome.
@
por favor um e-mail válido
T

Veja Também

Executiva Nacional do PSL convoca reunião para instituição de Conselho de Ética

A Executiva Nacional do PSL convocou uma reunião nesta terça-feira, 22, para instituir o Conselho de Ética do partido e para a abertura de processos...

21/10/2019 20:28
Caça da Marinha sofre acidente durante decolagem em São Pedro da Aldeia

Um caça naval AF-1 da Marinha brasileira sofreu um acidente na manhã desta segunda-feira (21), em São Pedro da Aldeia (Região dos Lagos fluminense). O...

21/10/2019 20:09
Deputados do PSL vão ao STF para barrar suspensão

Os cinco deputados do PSL que tiveram suas atividades suspensas pela cúpula do partido pediram ao Supremo Tribunal Federal (STF) que ordene ao...

21/10/2019 19:44

Últimas Notícias

Cidades

Funcionário da Proguaru garante vaga em campeonato de boxe amador

Mais um funcionário da Proguaru (Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A) tem se destacado fora de suas funções...

21/10/2019 18:09

Cidades

Terceira Semana Lixo Zero realiza maratona e piquenique sustentável

Aberta oficialmente na última sexta-feira (18), a 3ª. Semana Lixo Zero Guarulhos agitou o final de semana na cidade com...

21/10/2019 17:33

Cidades

Prefeitura inicia obras em estacionamento no Hospital Pimentas-Bonsucesso

A Prefeitura de Guarulhos, por meio da Proguaru (Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A), iniciou as obras de pavimentação do...

21/10/2019 17:01