Senado aprova projeto que derruba decretos de armas por 47 a 28 votos

Daniel Weterman e Renato Onofre - 18/06/2019 21:38


O Senado aprovou na noite desta terça-feira, 18, um projeto para derrubar os decretos assinados em maio pelo presidente Jair Bolsonaro que flexibilizaram o porte de armas no País. Após impor uma derrota ao governo na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na semana passada, senadores aprovaram, por 47 votos contra 28, a proposta de decreto legislativo que anula os efeitos dos atos presidenciais. O projeto ainda precisa passar pela Câmara dos Deputados.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou que a Casa mostrou "grandeza" ao apreciar o tema. Ele voltou a se solidarizar com senadores alvos de ataques e ameaças por defenderem a derrubada do decreto.

O relatório do senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) que foi levado ao plenário, contrário ao decreto de armas, usou um parecer da consultoria legislativa do Senado apontando que o Planalto extrapolou o poder regulamentar ao se contrapor ao Estatuto do Desarmamento e abrir diversas brechas para que uma pessoa tenha acesso a uma arma.

Para consultores do Senado, há pelo menos nove pontos em que o decreto de Bolsonaro extrapolou o caráter regulamentar mesmo depois de ter sido alterado pelo presidente. Entre eles, está o de presumir que pessoas podem ser consideradas enquadradas na "atividade profissional de risco" e no parâmetro de "ameaça à integridade física", sendo que o Estatuto do Desarmamento exigiria um exame individualizado, pela Polícia Federal, para permitir o uso.

Decreto

Em maio, o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto facilitando o porte de armas de fogo para políticos, caminhoneiros e moradores de área rural. Ao anunciar o Decreto 9.785, Bolsonaro afirmou inicialmente que seriam incluídos atiradores esportivos, caçadores e colecionadores (CACs), além de praças das Forças Armadas - o que daria cerca de 255 mil pessoas. O texto final, entretanto, contemplou 19 categorias - e cerca de 19,1 milhões de pessoas poderiam ter acesso facilitado ao porte, segundo estimativa do Instituto Sou da Paz.

A proposta permitia ainda que crianças e adolescentes praticassem tiro desportivo sem aval judicial. Duas semanas depois, porém, o decreto foi alterado, estabelecendo limitações. A possibilidade de que pessoas comuns pudessem até portar fuzis - uma brecha no texto, segundo a empresa Taurus - foi afastada nesse segundo texto, "após serem ouvidos Judiciário e Legislativo". Críticos, no entanto, afirmam que a parte principal da proposta foi mantida.

Seja o primeiro a comentar esta notícia.


Participe! comente esta notícia
informe o seu nome.
@
por favor um e-mail válido
T

Veja Também

Deputados bolsonaristas conseguem liminar para barrar suspensões

Deputados do PSL da ala ligada ao presidente Jair Bolsonaro, que foram notificados pelo partido sobre um processo de suspensão, conseguiram na Justiça...

22/10/2019 14:37
Correção: Voluntários retiram grandes resíduos, mas poluição persistirá por anos

O texto foi atualizado nesta terça-feira, 22, para corrigir o nome da bióloga entrevistada, que se chama Yana Lopes, e não Yana Costa, como publicado...

22/10/2019 14:14
59% das estradas federais estão em situação ruim, regular ou péssima, mostra CNT

A Confederação Nacional dos Transportes (CNT) divulgou nesta terça-feira, 22, a sua Pesquisa CNT de Rodovias 2019, que avalia toda a malha federal...

22/10/2019 13:55

Últimas Notícias

Cinema

RESENHA GWEB - Disney perde a mão com "Malévola: Dona do Mal"

Há um quê de mágico em tudo o que a Disney cria. Seja em seus parques temáticos ou produções para o cinema e...

22/10/2019 14:45

Policial

Turista americano briga no Aeroporto de Guarulhos e morre dias depois, no HGG

A Polícia Civil investiga a morte do norte-americano Matthew Alan Tremmel, de 35 anos, que teria sido espancado quando tentava embarcar para os...

22/10/2019 14:24

Policial

Operação contra jogos de azar identifica irregularidades em Guarulhos

Agentes do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (GAECO) e da Polícia Militar realizaram uma...

22/10/2019 13:32