Terça Feira, 25 de Fevereiro de 2020
(11) 94702-3664 Whatsapp

PRF prende em ônibus homem que se passava por delegado federal

A Polícia Rodoviária Federal, na manhã desse sábado, 25/01, prendeu um...

Por Foto: Divulgação

27 de Janeiro de 2020 as 14:19

A Polícia Rodoviária Federal, na manhã desse sábado, 25/01, prendeu um homem em Guarulhos que pegou carona em um ônibus interestadual e se passava por delegado federal. O homem enganou o motorista do ônibus com um distintivo para conseguir carona até o Rio de Janeiro.

Durante um comando de educação para o trânsito visando conscientizar condutores e passageiros de linhas interestaduais na BR 116, PRFs abordaram um ônibus que fazia a linha interestadual São Paulo x Rio de Janeiro para fiscalização. Durante a verificação, foram solicitadas informações sobre os dados dos passageiros, o motorista do ônibus disse a um policial que havia um passageiro de 49 anos que se identificou como Delegado Federal, alegando ter perdido um voo para o Rio de Janeiro e necessitava de uma carona, momento em que a equipe decidiu verificar a condição do passageiro.

Quando o suposto delegado federal foi questionado, apresentou sua CNH para identificar-se, os policiais solicitaram também o distintivo que utilizou para obter a carona gratuita no ônibus e o mesmo abriu sua bolsa, onde foi encontrado um distintivo da Justiça Federal e o mesmo não conseguiu responder sobre as funções que ostentava no distintivo. Também foi encontrada uma identidade, supostamente funcional, do Conselho Federal Parlamentar, cujo teor lhe atribuía o cargo de “delegado”, onde o mesmo se sustentou para enganar o motorista.

Diante das informações, foi dada voz de prisão pelo crime de estelionato, uma vez ter pairado dúvidas na equipe sobre a falsidade ideológica, ante a ausência de certeza sobre o cargo e a instituição da identidade funcional, além dos dados identificativos como nome, prenome, CPF, RG e filiação serem idôneos. O motorista, por ter sido a pessoa ludibriada, também foi para a Polícia Judiciária para ser ouvido e registrar o crime consumado.