Bolsas de NY caem, influenciadas por sentimento mundial de aversão a risco

Bruno Caniato - 12/08/2019 19:16


As bolsas de Nova York fecharam em queda nesta segunda-feira, 12, e devolveram grande parte dos ganhos da última semana, pressionadas pelo forte sentimento de aversão a risco que prevaleceu no pregão. Tensões geopolíticas, incertezas globais e cautela levaram todos os subíndices do S&P 500 a fechar no negativo nesta segunda-feira.

O índice Dow Jones caiu 1,48% para 25.897,71 pontos, enquanto o S&P 500 recuou 1,22% para 2.883,09 pontos e o Nasdaq perdeu 1,20%, aos 7.863,41 pontos. Após a recuperação observada nas últimas sessões, os três índices se aproximam novamente dos níveis de fechamento de 5 de agosto, pior dia do ano para as bolsas nova-iorquinas.

As perdas foram encabeçadas pelo setor financeiro, que recuou quase 2% no S&P 500 e viu baixas como Citi (-3,06%), Morgan Stanley (-2,92%) e Goldman Sachs (-2,88%). O impacto também foi forte nos bens de consumo, com recuos incluindo General Motors (-2,10%), McDonalds (-1,84%) Nordstrom (-2,35%) e Amazon (-1,25%).

"Setores cíclicos, como os de finanças e bens de consumo, lideraram perdas à medida que investidores buscaram abrigo em ativos seguros", afirmam os economistas Sumedh Deorukhkar e Vitor Sun Zou, do BBVA. A busca por segurança se refletiu no recuo dos rendimentos dos Treasuries, e no ouro, que fechou no maior nível em seis anos.

No primeiro pregão da semana, a retomada do apetite por risco que se ensaiou nas sessões anteriores não resistiu ao peso acumulado da guerra comercial entre Estados Unidos e China, risco de dissolução do governo na Itália, vitória do kirchnerismo nas eleições primárias na Argentina e agravamento das tensões entre governo e manifestantes em Hong Kong. Além disso, a China fixou novamente o dólar acima da marca psicológica de 7 yuans nesta segunda-feira, o que pode gerar mais tensões com os EUA.

"Embora houvesse causas regionais para uma desaceleração global no segundo semestre de 2018, os obstáculos à confiança das empresas causados por conflitos políticos são amplos e comuns em 2019", avalia o economista-chefe do JPMorgan, Bruce Kasman. Para o especialista, apesar da "mensagem reconfortante" dos indicadores recentes, os EUA deixam claro com as tarifas que "não defendem o comércio global baseado em regras", o que prejudica o sentimento econômico e produz estagnação nos investimentos.

Seja o primeiro a comentar esta notícia.


Participe! comente esta notícia
informe o seu nome.
@
por favor um e-mail válido
T

Veja Também

Bolsa fecha em leve baixa, a 110.977,23 pontos, após série de máximas históricas

Após três fechamentos em nível recorde e cinco sessões de ganhos consecutivos, o Ibovespa fez uma pausa neste pregão, encerrando o dia em leve baixa de...

09/12/2019 18:37
Juros fecham estáveis, com mercado à espera de decisões de política monetária

A exemplo da etapa matutina, os juros futuros oscilaram majoritariamente ao redor dos ajustes anteriores ao longo da tarde desta segunda-feira, 9,...

09/12/2019 18:37
Dólar tem sexta queda seguida e recua para R$ 4,12, menor nível em um mês

O dólar teve a sexta queda consecutiva e fechou a segunda-feira no menor nível em 30 dias, cotado em R$ 4,1293, em baixa de 0,42%. O câmbio teve dois...

09/12/2019 18:33

Últimas Notícias

Cidades

Última edição de 2019 do programa Você na Prefeitura acontece neste sábado no Cabuçu

A EPG Vereador Faustino Ramalho, localizada no Cabuçu, recebe no próximo sábado (14) a última edição do...

09/12/2019 18:52

Cidades

Projeto de lei pode viabilizar a construção da Arena Multiuso de Guarulhos

A Prefeitura de Guarulhos enviou à Câmara Municipal, na última quinta-feira (5), o projeto de lei 3.821/2019, que autoriza a...

09/12/2019 18:09

Cidades

Mais de 10 mil pessoas celebram os 459 anos de Guarulhos em grande festa no Bosque Maia

Árvore de Natal iluminada, cantata, apresentações musicais, concerto de estreia da Gru Sinfônica e celebração...

09/12/2019 18:06