Sexta Feira, 03 de Julho de 2020
(11) 94702-3664 Whatsapp

'Novo' saneamento gera R$ 80 bilhões por ano

saneamento; marco regulatório; ganhos

Por Renée Pereira

24 de Junho de 2020 as 12:25

O Brasil poderá ganhar quase R$ 80 bilhões por ano com a expansão do saneamento básico - setor mais atrasado da infraestrutura brasileira.

Hoje a falta de cobertura de água e esgoto, cujos índices são piores que em países como Iraque e Jordânia, prejudica a saúde, a produtividade e a renda da população brasileira, segundo dados do Instituto Trata Brasil.

Com a aprovação do novo marco regulatório, previsto para ser votado hoje, a expectativa é que novos investimentos mudem esse cenário.

Pela primeira vez na história, há quase uma unanimidade de que é preciso aprovar uma legislação capaz de atrair novos investidores.

Calcula-se que o País precise de algo entre R$ 500 bilhões e R$ 700 bilhões para universalizar os serviços e reduzir os prejuízos da população.

Para se ter ideia, o País perde 38% de toda água potável, tratada e pronta para ser distribuída.

Isso representa R$ 12 bilhões, o equivalente a todo investimento que o setor tem feito por ano.

"Em alguns Estados, essas perdas chegam a 70%", diz Édison Carlos, presidente do Instituto Trata Brasil.

Mas os prejuízos causados pela falta de saneamento vão além.

Em 2018, último dado disponível, o Brasil registrou quase 5 milhões de Doenças Diarreicas Agudas (DDAs), segundo o economista Claudio Frischtak, presidente da consultoria de infraestrutura InterB.

Ele explica que, entre 2010 e 2018, o número de casos dessa doença cresceu 2,15% ao ano - acima da expansão da população, de 0,8%.

O avanço dessas doenças resulta em maiores gastos públicos com internações e perda de produtividade do brasileiro, que falta ao trabalho por causa das enfermidades.

Pelos dados do Trata Brasil, o aumento dos investimentos rumo a universalização dos serviços de água e esgoto podem gerar uma economia de R$ 297 milhões por ano com saúde e promover um ganho de R$ 9 bilhões de produtividade e remuneração do trabalho.

Emprego Isso sem considerar o aumento do número de emprego decorrente das obras de saneamento - que podem impulsionar a retomada econômica do País no pós-covid.

Só no projeto de concessão da Cedae, distribuidora do Rio de Janeiro, a expectativa é de geração de 45 mil empregos, afirma o diretor de Infraestrutura, Concessões e PPPs do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Fábio Abrahão.

"Isso é maior que o pico da indústria naval no Rio de Janeiro.

" Para a coordenadora da divisão técnica do Departamento de Engenharia Sanitária, Recursos Hídricos e Biotecnologia do Instituto de Engenharia, Paula Rodrigues, cada real investido se transforma em benefício para a população.

"Com a expansão dos serviços é possível reduzir a mortalidade da população, criar emprego, potencializar o turismo e ainda valorizar o preço de áreas degradadas.

Ou seja, há uma série de oportunidades para a economia.

" De acordo com o Trata Brasil, o ganho decorrente da valorização imobiliária pode chegar a R$ 22 bilhões por ano e o incremento no setor de turismo, de R$ 2,1 bilhões.

"O cálculo que se faz para o Brasil é de que a cada US$ 1 investido em saneamento, o ganho para a população é da ordem de US$ 3", diz o pesquisador do Instituto Trata Brasil, Fernando Garcia.

No Brasil, acrescenta ele, o potencial de ganhos nas várias esferas é muito grande.

São 100 milhões de pessoas sem acesso a coleta de esgoto e 35 milhões sem água tratada em casa.

Isso coloca o País no 117.

º lugar em porcentual de pessoas com acessos a serviços básicos de saneamento, afirma Claudio Frischtak.

Chile, Costa Rica e Argentina têm porcentuais maiores que o Brasil.

As informações são do jornal O Estado de S.

Paulo.