Domingo, 05 de Julho de 2020
(11) 94702-3664 Whatsapp

BC: risco ligado à ociosidade se intensifica caso covid provoque maior incerteza

BC; RTI; inflação; ociosidade

Por Fabrício de Castro e Lorenna Rodrigues

25 de Junho de 2020 as 08:53

Após cortar a Selic (a taxa básica da economia) de 3,00% para 2,25% ao ano, na semana passada, o Banco Central manteve seu cenário básico com fatores de risco para inflação em ambas as direções.

No Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado nesta quinta-feira, o BC manteve, de um lado, a avaliação de que o nível de ociosidade pode produzir trajetória de inflação abaixo do esperado.

"Esse risco se intensifica caso a pandemia se prolongue e provoque aumentos de incerteza e de poupança precaucional e, consequentemente, uma redução da demanda agregada com magnitude ou duração ainda maiores do que as estimadas".

Por outro lado, na visão do BC, "políticas fiscais de resposta à pandemia que piorem a trajetória fiscal do país de forma prolongada, ou frustrações em relação à continuidade das reformas, podem elevar os prêmios de risco".

O BC avaliou que, "adicionalmente, os diversos programas de estímulo creditício e de recomposição de renda, implementados no combate à pandemia, podem fazer com que a redução da demanda agregada seja menor do que a estimada, adicionando uma assimetria ao balanço de riscos".

Esse conjunto de fatores, na visão do BC, "implica, potencialmente, uma trajetória para a inflação acima do projetado no horizonte relevante para a política monetária".