Sexta Feira, 25 de Setembro de 2020
(11) 94702-3664 Whatsapp

Em nova regra, jogador que tossir de propósito em rival ou juiz pode ser expulso

A regra foi aprovada pela International Board, nesta terça-feira

Por Foto: Cesar Greco/Palmeiras

04 de Agosto de 2020 as 10:23

A International Board (IFAB, na sigla em inglês) aprovou nesta terça-feira uma nova regra, de forma imediata para todos os níveis de jogos, que permite a aplicação de cartão amarelo ou até vermelho para o jogador que tossir de forma deliberada na direção de outro atleta ou do árbitro. A novidade tem como justificativa a pandemia do novo coronavírus e pretende diminuir os riscos de contaminação dentro de campo.

"Assim como em todas as violações das regras (do futebol), o árbitro deverá julgar qual a natureza real da infração", destacou a International Board no comunicado oficial divulgado nesta terça-feira com a nova regulamentação.

"Se (o ato de tossir) é claramente acidental, o árbitro não poderá agir, assim como se a tosse acontecer a uma distância segura de qualquer outro jogador.

Mas se acontecer quando o jogador estiver perto o suficiente para ser claramente ofensivo, o árbitro poderá agir", completou.

Algumas federações, como a inglesa, já emitiram orientações nesse sentido.

Na Inglaterra, a regra está apenas prevista para o futebol das categorias de base.

"Se o incidente não for grave o suficiente para merecer uma expulsão, pode merecer punição por comportamento antidesportivo", informou a Associação de Futebol da Inglaterra (FA, na sigla em inglês).

Segundo a entidade, as medidas devem ser tomadas quando "o árbitro tiver certeza de que alguém deliberadamente, e de perto, tossiu na cara de um oponente ou árbitro".

Ainda de acordo com a FA, a irregularidade se enquadra na categoria de "usar linguagem e/ou gestual ofensivo ou abusivo".

O documento oficial explicou que os árbitros não devem punir a tosse "rotineira" e devem lembrar os jogadores para evitar cuspir no chão, embora esse ato não seja considerado de má conduta.

Outra nova regra, aprovada pela International Board, é a realização de cinco substituições na próxima temporada.

Porém cada competição estará livre para decidir se utiliza ou não.