Quinta Feira, 15 de Abril de 2021

AVALIAÇÃO - Versão S-Design deixa Cronos mais atraente com itens de fábrica 

Na disputa entre os sedãs compactos premium, o Fiat Cronos busca se destacar por oferecer bons pacotes de equipamentos, aliados a preços interessantes

Por Ernesto Zanon - Especial para o GuarulhosWeb

15 de Agosto de 2020 as 10:43

 A versão Drive, com motor 1.3 e câmbio manual, acaba sendo ótima opção por custar pouco mais de R$ 60 mil e entregar ótimo custo-benefício. Com a série S-Design, ele se torna ainda mais atraente com itens que dão ao modelo mais exclusividade, requinte e personalidade. E por que não? Esportividade também.  

O S-Design é um conceito da marca, que já estrava presente no Toro. No final do ano passado, por R$ 3.500,00 a mais, o consumidor passou a levar também o Argo e o Cronos, avaliado durante 10 dias pelo GuarulhosWeb, com um toque a mais de beleza e itens incorporados principalmente em seu design tanto externo, como internamente.  

 Segundo a Fiat, a série S-Design faz uma releitura da esportividade acrescentando um toque de sofisticação e elegância. O Cronos, assim como o irmão Argo, pode ser customizado com qualquer cor de pintura externa (Vermelho Montecarlo, Cinza Silverstone, Preto Vulcano, Preto Vesúvio, Branco Banchisa, Branco Alaska e Prata Bari). O Vermelho Marsala está disponível apenas para o sedã.   

No pacotão do Cronos S-Design estão incluidos rodas de liga leve de 15’’ com pintura shadow, faróis de neblina, retrovisores elétricos pintados em preto, spoiler, para-choque e friso lateral com pintura dark chrome. Traz ainda logo S-Design, ar-condicionado digital, vidros elétricos traseiros. Assim como nos outros modelos S-Design, o interior e logotipos Fiat são escurecidos. 

 Vale lembrar que a versão Drive 1.3, além da extensa lista de itens da versão de entrada, vem de fábrica com LED design, alarme e sensor de estacionamento, central multimídia Uconnect™ compatível com os sistemas Apple Carplay e Android Auto, Audio Streaming, entradas USB e auxiliar, conexão Bluetooth e segunda porta USB – voltada para os passageiros traseiros. 

O motor 1.3 dá conta das necessidades de um sedã compacto. Trata-se do Firefly quatro cilindros, que gera 109 cv de potência e 14,2 kgfm de torque (ambos com 100% etanol). O câmbio é manual de cinco marchas.  Não deixa motorista na mão, mesmo com o carro carregado de passageiros e no porta-malas. Reage bem nas necessárias retomadas e avança tranquilo a velocidades maiores. O consumo de combustível, perto dos 7 km/l na cidade e acima dos 11 km/l na estrada, não assusta.