Domingo, 18 de Abril de 2021

Diego escreveu. E mandou foto

Há dois anos e meio, assinei um texto que começou assim: “Conheci Diego Sabádo, em Belém, como um jovem dotado de inteligência, talento e vocação

Por Oswaldo Coimbra

24 de Agosto de 2020 as 11:06

Há dois anos e meio, assinei um texto que começou assim: “Conheci Diego Sabádo, em Belém, como um jovem dotado de inteligência, talento e vocação suficientes para predestiná-lo a uma exitosa carreira acadêmico-literária. E fui surpreendido pela divulgação da notícia sobre a escolha dele pelos produtores da TV Globo para participação na 18º Big Brother Brasil. Numa entrevista, vi a designação que Diego dava àquele programa: um zoológico humano”.

Vivência é riqueza humana. Mas, para mim, o ambiente da casa daquele programa impunha a Diego uma ameaça de perda de características humanas semelhante ao da cela onde, na Ditadura Militar, o poeta Alex Polari escreveu “Zoológico Humano”. Poema encerrado com este verso, de terrível autoironia, dirigido a quem o visse, ali: “Favor não jogar amendoim”. Título do meu texto: “Não jogue amendoim, na cela de Diego!”. 

Não soube mais nada de Diego. Até poucos dias atrás, quando descobri, postada no Facebook, há seis meses esta carta dele: 

“Querido professor Coimbra. Quanto tempo! Somente hoje li o texto que o senhor escreveu sobre minha participação no programa Big Brother Brasil, em 2018. Olha só! Quanto tempo né? Fiquei muito contente com suas palavras e com a estima que o senhor demonstrou ter para comigo. A experiência toda lá foi muito interessante. E, de fato, muito enriquecedora. Infelizmente aquele não era meu mundo. A pseudofama, o mundo das subcelebridades, e, estas coisas. Eu consegui ficar dois meses, lá dentro. Mas, os diálogos que tentava ter, e, a postura que mostrei não me levaram a angariar pessoas que torciam por mim, em uma quantidade importante. Mas não é por isso que lhe escrevo, para falar de Big Brother. Escrevo para agradecer pelo texto. E para lhe informar que aquela escola de Artes, que sonhava em construir, ainda não se tornou real. Mas, a participação no programa me abriu outras portas, e, me fez ver o que realmente quero. Terminei meu Doutorado em Psicologia Clínica, na PUC-SP, após o programa. E, voltei para Belém, minha terra. Atualmente estou dando aulas de Filosofia, na Universidade Estadual do Pará, E, fundei, ano passado, uma ONG com objetivo de realizar aqueles projetos que me levaram à inscrição no BBB. Inclusive, estamos realizando o primeiro concurso de Poesia do Instituto Lumiee. E, planejo, o mais breve possível, realizar algo como sua Escola de Escritores. Devo dizer que lhe sou muito grato por isso. Foi aquela experiencia que me inseriu de vez neste mundo da escrita. Estou me alongando demais. Mais uma vez obrigado pelas palavras em 2018. Espero um dia poder reencontrá-lo nos caminhos e descaminhos deste oficio de escrever”.

(Ilustração: Diego numa jaula, no BBB da TV Globo, numa foto enviada por ele.)