Terça Feira, 20 de Outubro de 2020
(11) 94702-3664 Whatsapp

Messi se iguala a Cristiano Ronaldo e se torna o segundo bilionário do futebol

futebol; Messi; Cristiano Ronaldo; bilionários; Forbes

Por Redação GuarulhosWeb

15 de Setembro de 2020 as 09:59

O argentino Lionel Messi conseguiu mais um feito em sua carreira.

Em um ranking elaborado pela revista Forbes, que foi divulgado na noite de segunda-feira, o craque do Barcelona se tornou o segundo jogador de futebol a ultrapassar a marca da US$ 1 bilhão (cerca de R$ 5 bilhões) recebidos ao longo de sua vida futebolística, igualando marca obtida pelo português Cristiano Ronaldo.

Messi é o quarto atleta a atingir a quantia de US$ 1 bilhão de faturamento, depois do golfista americano Tiger Woods, do boxeador americano Floyd Mayweather e de Cristiano Ronaldo.

O "clube" também conta com o ex-jogador de basquete Michael Jordan.

Porém, o americano alcançou a marca bilionária depois de encerrar a carreira esportiva graças a um contrato com a Nike.

De acordo com a Forbes, Messi chegou a essa marca depois de se tornar o jogador de futebol mais bem pago do mundo em 2020.

O argentino teve vencimentos anuais que chegaram a US$ 126 milhões (R$ 659 milhões pela cotação anual), sendo 92 milhões (R$ 481 milhões) em salário e 34 milhões (R$ 177 milhões) em contratos de patrocínio.

No ranking entre jogadores de futebol, Cristiano Ronaldo aparece na segunda colocação com USS 117 milhões (R$ 612 milhões) de faturamento, sendo US$ 70 milhões (R$ 366 milhões em salários), e o brasileiro Neymar ficou em terceiro com US$ 96 milhões (R$ 502 milhões), sendo US$ 78 milhões (R$ 408 milhões) de salários.

O quarto lugar é ocupado pelo atacante francês Kylian Mbappé, de apenas 21 anos, com US$ 42 milhões (R$ 219 milhões), sendo US$ 28 milhões (R$ 146 milhões) em salário.

De acordo com a Forbes, os 10 primeiros atletas da lista somam faturamento de US$ 570 milhões (R$ 2,98 bilhões), em um aumento de 11% na comparação com 2019, apesar das consequências da pandemia do novo coronavírus na economia e nas competições esportivas.

A publicação explicou que apurou os números em contato com agentes de jogadores, patrocinadores comerciais e especialistas em futebol nos Estados Unidos e na Europa.

Os valores não incluem impostos.