Domingo, 11 de Abril de 2021

Ignorar prevenção no Réveillon pode superlotar o sistema de saúde, diz especialista

Último balanço aponta que 70,7% dos leitos de UTIs municipais estão ocupados

Por Katia Russões

31 de Dezembro de 2020 as 09:08

Com a cidade de Guarulhos na fase vermelha do Plano São Paulo de flexibilização da economia, diante da pandemia do coronavírus, as festas de fim de ano são uma preocupação para os profissionais da saúde. Um dos principais problemas é um possível aumento no número de casos da doença, já que o período é tradicionalmente comemorado com aglomeração de pessoas. A recomendação das autoridades é comemorar com as pessoas do convívio familiar diário e não realizar eventos grandes com muitos convidados.

Para a técnica da Divisão de Epidemiologia e Controle de Doenças da Secretaria da Saúde de Guarulhos, Fernanda da Matta Carmo, o fato de ignorar as medidas de proteção pode aumentar o número de casos confirmados de Covid-19 e, consequentemente, superlotar o sistema de saúde.

No último balanço divulgado pela Secretaria, no dia 28/12, a taxa de ocupação de leitos de UTI dos hospitais públicos da cidade era de 70,7%. O município registrou, até aquela data, 35.072 casos confirmados da doença e 1.688 pessoas morreram em decorrência do coronavírus. Seis casos estão sob investigação.

Os dados oficiais mostram a necessidade de se adotar medidas de proteção. Fernanda explica que as evidências disponíveis atualmente apontam que o vírus causador da Covid-19 pode se espalhar por meio do contato direto, indireto ou próximo de pessoas infectadas, através de secreções como saliva e secreções respiratórias ou de suas gotículas respiratórias, que são expelidas quando uma pessoa tosse, espirra, fala ou canta. “As pessoas que estão em contato próximo com uma pessoa infectada podem contrair o vírus quando essas gotículas infecciosas entram em contato com a sua boca, nariz ou olhos”, completou.

Muitas pessoas com Covid-19 experimentam apenas sintomas leves, particularmente nos estágios iniciais da doença. No entanto, é possível contrair o vírus de alguém com tosse leve e que não se sente doente. Segundo Fernanda, alguns relatórios indicaram que pessoas sem sintomas podem transmitir o vírus. Sendo assim, o descumprimento das medidas de proteção facilita a propagação da doença.


Como agir fora de casa

A dica da especialista é, para os casos de necessidade, como ter de sair para fazer compras, manter 1 metro de distância das outras pessoas e evitar tocar nos olhos, boca e nariz, além de usar a máscara. Se possível, também deve-se higienizar as alças dos carrinhos de compras ou cestas antes de utilizá-las e lavar bem as mãos após chegar em casa e depois de manusear e armazenar os produtos adquiridos.

Segundo a Secretaria de Saúde, o município realiza monitoramento dos casos da doença diariamente, o que permite o acompanhamento da evolução da pandemia. Questionada sobre um possível aumento dos casos após o feriado, a pasta afirmou que não há uma taxa de infecção prevista após as festas de fim de ano.

A Secretaria da Saúde de Guarulhos reproduziu uma cartilha editada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com recomendações para o enfrentamento da Covid-19 nas festas de fim de ano. Com o slogan “O melhor presente neste fim de ano é a prevenção”, o manual disponível NESTE LINK traz o seguinte alerta: “A forma mais segura de passar o Natal e o Réveillon é ficar em casa e celebrar apenas com as pessoas que moram com você”.

 

Fase vermelha

O governador de São Paulo, João Doria, determinou no dia 22/12 que o estado retorne à fase vermelha do Plano São Paulo, durante o Natal e Ano Novo. Neste período, o comércio essencial (padarias, mercados e farmácias) poderão funcionar. Bares, restaurantes e o restante dos estabelecimentos ficarão fechados.

A ação já foi implantada no Natal e vale também para os dias 1º, 2 e 3 de janeiro. Doria determinou ainda que nenhuma região será reclassificada para a fase verde durante o mês de janeiro. A próxima definição será realizada no dia 7 de janeiro.