Domingo, 18 de Abril de 2021

Censo Escolar aponta desigualdade tecnológica entre escolas públicas e privadas

Enquanto 85% das particulares possuem internet, na rede municipal número é de 52,7%

Por Agência Educa Mais Brasil

20 de Fevereiro de 2021 as 08:20

A pesquisa “Dados do Censo Escolar 2020” evidenciou as discrepâncias entre a disponibilidade de equipamentos tecnológicos nas escolas da educação básica brasileira. Foram usados como comparação: presença de conexão por internet, uso de computadores e oferta de equipamentos tecnológicos em geral. De acordo com os dados, quanto mais avançada é a série, maior é a oferta de recursos tecnológicos.

Nas escolas particulares de educação infantil, por exemplo, a internet banda larga está presente em 85% das instituições. Enquanto que na rede municipal, mesmo com a maior participação na oferta de educação infantil, o percentual é de 52,7%.

No ensino fundamental, a rede pública tem a menor capacidade tecnológica. À medida que o aluno avança de série, passa a contar com mais recursos, segundo a pesquisa. O estudo conclui que a disponibilidade de equipamentos nas escolas de ensino médio é maior do que nas do ensino fundamental.

Em comparação com a tecnologia nas escolas por regiões do país, o Centro-Oeste, compreendido por Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, mais o Distrito Federal, apresenta infraestrutura expressiva, com 83,4% das escolas de ensino fundamental com internet banda larga. Em seguida, aparecem: Sudeste (81,2%), Sul (78,7%), Nordeste (54,7%) e Norte (31,4%).

 

Censo Escolar 2020

O Censo Escolar é a principal pesquisa estatística da educação básica. É feito sob coordenação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e realizado em regime de colaboração, entre as secretarias estaduais e municipais de Educação, com a participação de todas as escolas públicas e privadas do país.

Os dados do Censo Escolar divulgados neste ano fazem parte da primeira etapa da pesquisa estatística. O período de referência para a pesquisa foi alterado de maio para março, em virtude da pandemia de Covid-19 e da interrupção das atividades presenciais na maior parte das escolas.

A segunda etapa da pesquisa deverá apurar a “Situação do Aluno”, cujos dados aferidos serão fundamentais para a compreensão das consequências causadas pelo novo coronavírus no sistema educacional brasileiro.

Para isso, o Inep desenvolveu um novo questionário específico para a coleta de informações sobre as estratégias adotadas pelas escolas para lidar com os desafios impostos no ano letivo de 2020. Os dados serão coletados a partir do dia 22 de fevereiro e publicados na divulgação dos resultados da etapa complementar do Censo Escolar, em junho.