Segunda Feira, 01 de Março de 2021

Petrobras solta esclarecimento sobre política de remuneração da diretoria

Petrobras; Bolsonaro; internvenção; remuneração; diretoria

Por Fernanda Nunes

23 de Fevereiro de 2021 as 16:40

A Petrobras divulgou comunicado rebatendo críticas do presidente Jair Bolsonaro de que o salário do presidente da empresa, Roberto Castello Branco, extrapola os valores de mercado.

O principal argumento é que os seus executivos não recebem reajustes desde 2016 e que não há previsão de que isso aconteça neste ano. A empresa alega também que as últimas mudanças no modelo de remuneração dos seus executivos adotadas em 2019 atrelam o pagamento de salários ao resultado financeiro da companhia, compatível com o que é adotado por empresas de capital misto listadas em bolsa. "A remuneração total anual do presidente da Petrobras, incluindo o bônus, corresponde a 25% da remuneração total anual dos presidentes de outras empresas do mercado nacional de porte equivalente, considerando-se a faixa mediana de remuneração", argumentou a empresa, em nota divulgada pela assessoria de imprensa. A remuneração dos diretores corresponde a 72% se comparado aos seus pares, nas mesmas bases, "segundo pesquisas salariais das principais consultorias de recursos humanos do País", acrescenta a companhia. O atual modelo de remuneração da Petrobras é o Plano de Prêmio por Performance (PPP).

Nele, quanto mais elevado é o cargo do funcionário, mais a sua remuneração está atrelada a metas financeiras.

Bônus são acrescidos aos salários à medida que as metas são alcançadas. A Petrobras argumenta que a adoção desse modelo foi aprovada por instâncias de controle - Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest), Assembleia Geral Ordinária (AGO) de acionistas e conselho de administração.

Diz ainda que o PPP "contempla todos os empregados da Petrobras, com ou sem função de liderança." Na nota, a companhia afirma também que o pré-requisito para pagamento do bônus 2019 era a companhia alcançar, no mínimo, R$ 10 bilhões de lucro líquido e outras metas financeiras. "Em 2019, a Petrobras obteve lucro recorde de R$ 40,1 bilhões, o maior de sua história.

Como em qualquer empresa no mercado, o bônus de performance é uma remuneração variável sem garantia de recebimento.

Ou seja, seu pagamento depende da realização de lucro líquido pela companhia e pelo atingimento e/ou superação de metas pré-estabelecidas para cada empregado", acrescenta.