Domingo, 18 de Abril de 2021

Dia da Escola: manter o vínculo entre os estudantes é desafio na pandemia

“Ninguém ensina ou aprende bem quando não se sente visto, acolhido e ouvido”, diz psicóloga

Por Agência Educa Mais Brasil

15 de Março de 2021 as 13:55

O Dia da Escola, comemorado anualmente no Brasil em 15 de março, em 2021 vai ser diferente. Ao invés das aulas nos espaços físicos, o ambiente virtual foi a saída para a manutenção das aulas durante a pandemia. O desafio, nesse novo contexto educacional, foi manter a escola no digital também como um espaço de troca de vivências entre os próprios estudantes.

“O momento que estamos enfrentando hoje tem exigido muito dos educadores, dos estudantes e das famílias. Estamos iniciando um ano letivo com algumas marcas do que foi 2020, entendendo e reforçando protocolos de segurança. Ninguém ensina ou aprende bem quando não se sente visto, acolhido e ouvido”, disse ao site Porvir, a psicóloga Juliana Hampshire, consultora pedagógica do Laboratório Inteligência de Vida.

As aulas a distância são mais desafiadoras na primeira infância, etapa em que escola tem o papel de desenvolver as funções cognitivas e o lúdico através de brincar, tocar, abraçar – aspectos que por questões de segurança precisaram ser suspensas temporariamente em razão da prevenção à Covid-19.

De acordo com a diretora do Colégio Essere, Priscila Raso, a volta às aulas para a turma da educação infantil deverá ser diferente dos ensinos fundamental e médio e das faculdades, em que os alunos retomam as matérias.

Segundo a diretora, o retorno para a educação infantil é delicado porque envolve o emocional das crianças. O desafio para os profissionais da educação que lidam com o público infantil vai ser trabalhar a questão emocional na volta às aulas. Por isso, manter o vínculo da criança com a escola durante o isolamento social é importante. “Esse período mexeu muito com a saúde mental das crianças. Teve muita mãe que ligou perguntando o que fazer”, pontua.

Ciente da importância da escola para os filhos, a pedagoga Isabele Louise, 35, acompanha, de perto, a educação do Romeo, de 3 anos, e Lorenzo, 10. O filho mais velho do casal, o Lorenzo, está no ensino básico, e o caçula Romeo ainda não está na escola, mas já tem atividades para fazer. A mãe é a responsável por passar lições para ele. “Em casa é muito natural. Eu cobro um pouco, nessa parte tem que ter controle porque, às vezes, me vejo cobrando muito”, pondera Isabele.

 

Curiosidade: origem da primeira escola no Brasil

Historiadores atribuem aos padres jesuítas a origem das escolas no território nacional, quando em meados de 1549 chegaram ao Brasil com a Companhia de Jesus, comandada pelo padre Manuel da Nóbrega, com o objetivo de difundir a fé católica por meio da catequização dos índios.

Os padres ensinavam escrita, leitura, matemática e a doutrina religiosa. Porém, os jesuítas foram expulsos das terras brasileiras em 1759, quando posteriormente instituiu-se o ensino laico. Desse modo, as igrejas deixaram de ser responsáveis pelo ensino, mas a religião continuou sendo ensinada nas aulas.

No Brasil, registros apontam que o primeiro professor oficial foi o padre jesuíta José de Anchieta. Ela utilizava uma pequena sala para celebrar missas e lecionar em Salvador (BA). No entanto, a origem da docência vem de milhares de anos atrás, na Grécia Clássica, e os filósofos gregos são considerados os primeiros professores.