Quinta Feira, 22 de Abril de 2021

Queiroga: presidente entendeu que deveria haver um médico à frente da Saúde

Ministro pretende visitar hospitais para verificar as condições de assistência e rebateu insinuações de que ideia seria para checar se as pessoas estão de fato morrendo pela covid-19

Por Emilly Behnke e Mateus Vargas

24 de Março de 2021 as 19:00

O recém-empossado ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quarta-feira, 24, que a escolha pelo seu nome ocorreu após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reconhecer que a pasta precisava ser liderada por um médico.

O novo chefe da Saúde avaliou que assumir o comando do Ministério seria "uma grande responsabilidade em qualquer circunstância". "O presidente entendeu que deveria ter um médico à frente do Ministério da Saúde", declarou em entrevista coletiva no Palácio do Planalto nesta tarde.

Queiroga assumiu a vaga do general Eduardo Pazuello, que se despediu hoje de sua equipe e indicou haver um complô político contra sua gestão. Nesta tarde, Marcelo Queiroga ressaltou que a crise sanitária afeta fortemente o País e que o principal compromisso de seu governo será a vacinação.

Segundo ele, a forma de "frear a pandemia" é por meio da imunização. Ele explicou ainda a cerimônia surpresa e fora da agenda realizada ontem de forma reservada para a sua posse.

"Eu solicitei ao presidente da República, que fizéssemos uma posse simples, uma posse sem cerimônias, uma posse sem solenidade, porque nós vivemos - como vocês sabem, tem tão bem divulgado - uma emergência sanitária de importância internacional que já dura mais de ano", declarou. Médico cardiologista, Queiroga afirmou que para exercer a medicina é preciso se embasar na "ciência e humanismo".

O ministro citou ainda fala do Papa Francisco para reforçar que seu objetivo é cuidar das pessoas.

O ministro pediu "um voto de confiança" da imprensa e apoio da população para solução de problemas no sistema de saúde - o qual defendeu também o fortalecimento.

"Vamos olhar para frente", disse. O ministro também destacou que pretende visitar hospitais para verificar as condições de assistência e rebateu insinuações de que ideia seria para checar se as pessoas estão de fato morrendo pela covid-19.

O registro de óbitos pela doença já foi mais de uma vez questionado e colocado em dúvida pelo presidente Jair Bolsonaro.