Cidades

Administradora da Rodoviária desconhece linhas intermunicipais

Empresa responsabiliza ARTESP e ANTT pelos itinerários; até os banheiros do local estão interditados

A empresa que administra a Rodoviária de Guarulhos, Socicam, desconhece o funcionamento de linhas intermunicipais, que estão em atividade no local. De acordo com a administradora, as linhas ainda estão em fase de implantação.

Segundo a Socicam, o Terminal Rodoviário e Turístico de Guarulhos está em processo de operacionalização e fechamento de contratos com as empresas de ônibus e com os pontos comerciais que serão instalados no local.

A empresa ainda declara que, até o momento não há definição das linhas que vão operar no Terminal, pois este tema passa pela regulamentação que é de responsabilidade das agências reguladoras – Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo (ARTESP) e Agência Nacional de Transportes Terrestre (ANTT).

No entanto, funcionários do Terminal Urbano de Guarulhos afirmam que há três linhas em funcionamento na Rodoviária. A viação Atibaia e Cometa fazem respectivamente a linha de Atibaia e Santos/Praia Grande. Sem contar que também há o transporte oferecido pela empresa Urubupungá, que vem de Osasco para o Terminal Cecap.

Funcionários e passageiros não podem usar banheiros

Os banheiros da Rodoviária de Guarulhos são constantemente bloqueados. Desde terça-feira, motoristas, cobradores e passageiros do Terminal Urbano de Guarulhos estavam impossibilitados de utilizarem os sanitários.

A motorista, Adriana Paula Silva, de 33 anos, disse que o pior era passar de ônibus próximo do Terminal e ver que os homens estavam fazendo suas necessidades na rua.

Ontem de manhã os banheiros já estavam liberados para o uso da população, mas este é um problema frequente, conforme o relato dos funcionários do Terminal. "A Rodoviária só pode estar com corte de gastos, para tomar esse tipo de atitude", desabafa um motorista que preferiu não se identificar.

Além dos banheiros bloqueados, os bebedouros não tinham água, porque o registro também havia sido fechado. A Socicam, empresa que administra a Rodoviária, declara que tais informações não procedem.