Estadão

Bolsas da Europa fecham em baixa, com riscos da covid-19 à atividade no radar

Os mercados acionários da Europa chegaram a mostrar sinal misto em parte do dia, mas terminaram a segunda-feira em território negativo, com investidores novamente atentos à covid-19 e a seus potenciais riscos para a economia da região, sobretudo diante da disseminação da variante delta do vírus, mais contagiosa. Além disso, um dado da Alemanha e declarações de dirigentes do Banco Central Europeu (BCE) foram monitorados.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,59%, em 454,94 pontos.

No noticiário, recebeu atenção o fato de que Portugal determinou recentemente novas medidas de restrição, na região de Lisboa, diante de novos casos da covid-19, ligados agora à variante delta, identificada inicialmente na Índia.

O NateWest comenta em relatório que o número de casos na Europa Ocidental segue baixo, mas nota que as preocupações com a variante delta têm aumentado. O banco cita Portugal como o país mais "preocupante", mas usa aspas na palavra e diz que o nível de casos nos países da região ainda é baixo, além de lembrar que as evidências até agora disponíveis mostram que as vacinas disponíveis são também eficazes contra essa cepa.

Na agenda de indicadores, os preços de importados da Alemanha subiram 11,8% em maio, na comparação anual. O resultado é fruto em parte da base de comparação fraca, mas investidores têm estado atentos a riscos de inflação.

Entre os dirigentes do BCE, o vice do banco central, Luis de Guindos, voltou a dizer que o aumento recente na inflação deve ser temporário, mas comentou que o BCE está atento para eventuais sinais de que parte desse movimento pode se traduzir em movimento "mais permanente". Já o dirigente Fabio Panetta comentou que o avanço na inflação é temporário e considerou que não há "sinais convincentes" de que o movimento se transformará em um "processo inflacionário sustentado".

Outro dirigente, Jens Weidmann, defendeu que as compras emergentes de bônus do BCE devem ser encerradas assim que a situação de emergência sanitária na zona do euro terminar e a economia apresentar fundamentos sólidos para crescer sem o apoio excepcional.

Na Bolsa de Londres, o índice FTSE 100 fechou em baixa de 0,88%, em 7.072,97 pontos.

Em Frankfurt, o índice DAX caiu 0,34%, a 15.554,18 pontos.

Já o índice CAC 40, da Bolsa de Paris, recuou 0,98%, a 6.558,02 pontos.

Na Bolsa de Milão, o índice FTSE MIB registrou queda de 1,11%, a 25.227,10 pontos, terminando na mínima do dia.

Em Madri, o IBEX 35 caiu 1,99% a 8.913,70 pontos, também fechado na mínima diária.

Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI 20 recuou 0,01%, a 5.086,75 pontos.