Estadão

Bolsas de NY fecham mistas, repercutindo Fed; petroleiras e bancos caem

As bolsas de Nova York fecharam sem sinal único nesta quinta-feira, em sessão com investidores ainda repercutindo a decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), que apresentou um tom mais "hawkish" do que muitos analistas esperavam, especialmente com a maioria dos dirigentes sinalizando uma alta nos juros em 2023. Entre os setores, algumas das principais baixas foram das petroleiras, pressionadas pela queda do preço do barril do petróleo, e dos bancos, que foram impactados pelo recuo nos rendimentos longos dos Treasuries. Por outro lado, o movimento impulsionou ações de tecnologia.

O índice Dow Jones recuou 0,62%, a 33.823,45 pontos, o S&P 500 caiu 0,04%, a 4.221,86 pontos, e o Nasdaq teve ganho de 0,87%, a 14.161,35 pontos.

O dia após a surpresa "hawkish" do Fed "foi com investidores tentando precificar o fim do estímulo monetário", resume Edward Moya, da Oanda. Para o analista, "o Fed ainda corre o risco de se mover muito devagar. A última atualização de suas previsões mostra que eles não têm ideia de para onde a inflação está indo, o que deixa alguns investidores nervosos".

As ações dos EUA variaram enquanto as grandes empresas de tecnologias subiram com a queda dos rendimentos dos Treasuries de longo prazo, e uma liquidação de commodities afetou alguns dos principais componentes do Dow Jones, aponta Moya. Entre as big techs que subiram, e impulsionaram o Nasdaq, estiveram Facebook (+1,64%), Alphabet (+0,80%), que controla o Google, Amazon (+2,17%), Apple (+1,26%) e Microsoft (+1,37%).

Por outro lado, a queda nos juros de longo prazo, que ocorreu em correção ao movimento de quarta após a reunião do Fed, pressionou ações do setor financeiro. Bank of America (-4,37%), Morgan Stanley (-3,50%), Citigroup (-3,64%) e Goldman Sachs (-2,56%) tiveram algumas da principais baixas da sessão. Outro efeito da decisão do Fed foi um fortalecimento do dólar, o que pressionou o barril de petróleo e levou a quedas generalizadas no setor de energia, que vinha de avanços recentes. As petroleiras Chevron (-2,37%), ExxonMobil (-3,29%) e Occidental Petroleum (-7,60%) recuaram.

Já as ações da CureVac despencaram 38,99%, após na quarta a empresa publicar resultados insatisfatórios para a eficácia de sua vacina contra a covid-19 em um estudo envolvendo variantes do coronavírus.