Início » Bolsas europeias fecham em forte alta, com apoio de bancos após balanços nos EUA
Estadão

Bolsas europeias fecham em forte alta, com apoio de bancos após balanços nos EUA

Índices acionários das bolsas da Europa encerraram o pregão desta quinta-feira com avanços robustos, impulsionados por um início positivo da temporada de balanços corporativos nos EUA, com resultados trimestrais melhores que o esperado de alguns dos principais bancos do país. Neste contexto, preocupações quanto a elevada inflação global, após dados de China e EUA, ficaram em segundo plano.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 1,20%, aos 465,92 pontos.

Nesta quinta-feira, Wells Fargo, Bank of America, Citigroup e Morgan Stanley divulgaram seus balanços para o terceiro trimestre deste ano, apresentando resultados que superaram as previsões do mercado. Impulsionadas pelos balanços, ações de bancos europeus subiram cerca de 1% hoje, com destaques para o inglês Standard Chartered (+1,59%), o alemão Deutsche Bank (+1,00%) e os franceses Société Generale (+1,20%) e BNP Paribas (+0,48%).

O mesmo ocorreu na Itália, onde o índice FTSE MIB, da Bolsa de Milão, subiu 1,23%, aos 26.277,57 pontos, com o apoio da alta de 4,33% do Banco BPM.

Em Londres, o índice FTSE 100 subiu 0,92%, aos 7.207,71 pontos. O principal driver para a bolsa local veio de companhias mineradoras, como a Rio Tinto, Antofagasta, BHP, Glencore e Anglo American, todas com avanços acima de 3%, impulsionadas pela alta nos preços de metais no mercado futuro. Multinacional do setor siderúrgico, a ArcelorMittal avançou 2,97% em Paris, na maior alta do índice CAC 40, que subiu 1,33% nesta quinta, aos 6.685,21 pontos.

Já na Alemanha, o DAX avançou 1,40%, a 15.462,72 pontos. Diante do otimismo pela temporada de balanços, investidores no país apenas monitoraram a revisão para baixo da projeção de institutos alemães para o crescimento da maior economia europeia este ano, de 3,7% a 2,4%.

Leituras de inflação ao produtor – que atingiu nível recorde – e ao consumidor na China, e ao produtor dos EUA em setembro também ficaram em segundo plano. De acordo com o dirigente do Banco Central Europeu (BCE), Klaas Knot, o aumento nas expectativas de inflação na zona do euro é uma boa notícia, já que o bloco monetário enfrentou um "longo período" de riscos deflacionários antes da crise do coronavírus. A visão do BCE sobre o tema diverge em parte de outros bancos centrais de economias desenvolvidos, mais temerosos quanto à forte inflação.

Entre outros índices europeus, o IBEX 35, da Bolsa de Madri, subiu 0,49%, aos 8.925,00 pontos, enquanto o PSI 20, de Lisboa, terminou o dia com a mesma variação positiva, aos 5.620,72 pontos.

Comentar

Clique aqui para comentar