Estadão

Casa Branca reforça alinhamento com Alemanha sobre Ucrânia e Nord Stream 2

A Casa Branca reiterou nesta terça-feira que, caso a Rússia invada a Ucrânia, o Nord Stream 2 não irá operar. A afirmação se dá reforçando fala do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, sobre o gasoduto que conecta a Rússia à Alemanha.

O chanceler da alemão, Olaf Scholz, tem evitado adotar posição clara sobre o assunto publicamente, mas garante que agirá junto aos EUA e demais aliados da Tratado do Atlântico Norte (Otan).

"Todos podem ter certeza absoluta de que a Alemanha está lado a lado com seus aliados e especialmente com os Estados Unidos quando se trata da Rússia e da Ucrânia. Estamos preparados para tomar todos os passos necessários juntos. Não há discordância nesta situação", escreveu o líder em sua conta oficial do Twitter.

Em coletiva a imprensa, a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, disse que esta é uma situação "bem diferente" da do Afeganistão. "Não estamos em guerra há 20 anos nas fronteiras da Ucrânia", pontuou, quando questionada sobre os incentivos para que os cidadãos americanos deixem o país europeu.

Psaki também reforçou que os EUA são peça central nas negociações sobre a crise em território europeu e que Washington não teme ser excluída de processo diplomáticos dentro da União Europeia.

<b>China</b>

A secretária de imprensa da Casa Branca ainda disse que os Estados Unidos estão em "contato próximo" com a China sobre suas relações comerciais.

A porta-voz confirmou que o país asiático não cumpriu suas metas para os anos de 2020 e 2021, que integram a fase 1 do acordo comercial com os americanos, fechado ainda no governo anterior, de Donald Trump.