Cidades

Comerciantes estão preocupados com Corredor da Paulo Faccini

O projeto da Prefeitura de gastar R$ 200 milhões para implantar um corredor de ônibus na Paulo Faccini, via que não tem perfil para isso, preocupa os comerciantes da região.

"Nós comerciantes estamos sofrendo com diversas interferências, por isso é importante que a Prefeitura nos ouça. Está discussão provocada pela ACE-Guarulhos, na verdade, deveria partir do governo municipal", criticou o presidente da Associação de Associação de Bares, Restaurantes e Alimentação de Guarulhos (Abrag) Sérgio Lombardi, sobre a implantação de um corredor de ônibus na avenida Paulo Faccini, conforme anunciou a Prefeitura.

Para esclarecer dúvidas dos comeciantes, a Associação Comercial e Empresarial de Guarulhos (ACE) recebeu o secretário de Transporte e Trânsito de Guarulhos, Atílio Pereira, em reunião ocorrida nesta quarta-feira, 11. Ele se comprometeu a se reunir com os empresários que possuem estabelecimentos na avenida Paulo Faccini para discutir a implantação do corredor de ônibus na via.
Para o presidente da ACE-Guarulhos, Jorge Taiar, a implantação de um corredor na via precisa ser melhor estudada. "A avenida Paulo Faccini possui um gargalo no trânsito e, em horário de pico, a fila de carros é enorme. Implantar um corredor em uma via com poucas faixas pode piorar", falou.

O secretário, que prometeu ouvir os empresários, disse que é preciso elencar os pontos positivos e os negativos quanto ao projeto. Ele falou que a avenida hoje sofre de dois problemas: o tráfego intenso de veículos e o desrespeito dos motoristas ao estacionarem seus veículos ao longo da via. "Vai chegar um momento que não será mais permitido o estacionamento em via pública", completou.