Economia

Crise cambial acabou na Rússia, diz ministro

O ministro das Finanças da Rússia, Anton Siluanov, declarou nesta quinta-feira que a crise cambial acabou, à medida que o rublo se firmou em uma máxima de três semanas nesta quinta-feira. No entanto, o presidente russo, Vladimir Putin, disse a seus ministros que eles precisam trabalhar no próximos dias para administrar os problemas econômicos profundos do país.

A recuperação recente do rublo, após o governo e o Banco Central anunciaram medidas fortes a fim de estabilizar o mercado – aliviou os temores sobre uma crise financeira em espiral no país. Ao mesmo tempo, o aumento acentuado da taxas de juros anunciado pela autoridade monetária na semana passada para conter a derrocada do rublo, junto com o crescentes problemas no setor bancário russo, pioraram dramaticamente a perspectiva para a economia da Rússia.

Apenas duas semanas depois de classificar as projeções de que o país terá uma recessão moderada no próximo ano como “muito sombrias”, o Ministério das Finanças revisou sua perspectiva para uma queda de até 4% do Produto Interno Bruto (PIB) no próximo ano, se os preços do petróleo ficarem em torno dos níveis atuais de US$ 60 por barril, minando a economia da Rússia, juntamente com as sanções do Ocidente.

As projeções do Ministério são de que, neste cenário, o corte de gastos de 10% que o governo está considerando não será suficiente para evitar que o orçamento passe a registrar um déficit, de acordo com documentos do órgão vistos pelo The Wall Street Journal. Com os mercados financeiros do Ocidente fechados, o financiamento do déficit forçaria a Rússia a drenar a maior parte de seus fundos especiais para momentos de turbulência, construídos quando os preços do petróleo estavam altos.

Putin, que tem minimizado publicamente a gravidade da crise econômica, fez nesta quinta-feira um paralelo com a crise de 2008-2009 e instou o governo a intensificar os esforços na resolução de questões econômicas no curto prazo. “Por que eu falo sobre o futuro próximo? Porque há férias agora e elas são bastante longas. E as pessoas têm o direito de descansar… Mas, para o governo e seus departamentos, não podemos dar esses feriados prolongados, ao menos neste ano “, disse Putin.

Se o Ministério das Finanças drenar o fundo de reserva, as reservas internacionais do país, que recuaram nesta semana para menos de US$ 400 bilhões pela primeira vez desde 2009, diminuirão. Moscou precisa de suas reservas internacionais – a quarta maior do mundo -, para se proteger de uma queda do rublo e preencher lacunas orçamentárias. Neste mês, a Rússia gastou cerca de US$ 11,2 bilhões para aliviar a pressão sobre a moeda local, que atingiu a mínima de 80,1 rublos por dólar na semana passada. No entanto, o rublo reduziu parte das perdas desde então.

Após perder cerca de 50% de seu valor contra o dólar nas semanas anteriores, o rublo ganhou força nos últimos cinco dias de funcionamento do mercado à medida que os preços do petróleo se estabilizaram e os pagamentos de impostos de fim de mês ocorreram.

“Nós acreditamos que agora esse período acabou, o período de instabilidade. Nós achamos que o rublo ainda está subvalorizado com o atual preço do petróleo”, afirmou o ministro das Finanças, Anton Siluanov, de acordo com agências de notícias russas.

A moeda russa subiu cerca de 1%, para 52,9 rublos por dólar, durante uma calma sessão hoje, à medida que os exportadores converteram suas oposições na moeda dos EUA para rublos a fim de pagaram impostos locais que vencem no fim do mês. Fonte: Dow Jones Newswires.