Política

Deputado propõe ação judicial para discutir acessos ao Aeroporto

Nesta terça-feira (16), o deputado federal Eli Corrêa Filho (DEM) presidiu a audiência pública realizada para discutir a reabertura de acessos ao Aeroporto Internacional de Guarulhos. Ele destacou o desrespeito da GRUAirport e da Infraero que não enviaram representantes. A Prefeitura de Guarulhos, não foi à audiência, já que – na semana passada – o prefeito Guti se reuniu com ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, que já criou um grupo de trabalho para discutir um novo acesso naquela região.  Apenas o Ministério dos Transportes enviou o secretário nacional de Aviação Civil, Dario Rais Lopes, representando o ministro de Estado dos Transportes, Portos e Aviação Civil.
 
Uma comitiva de 13 vereadores de Guarulhos também fizeram questão de ir à Brasília para acompanhar a audiência. Marcaram presença os vereadores Eduardo Barreto, João Dárcio, Laércio Sandes, Luis da Sede, Professor Jesus, Ramos da Padaria, Romildo, Serjão Inovação, Thiago Surfista e Wesley Casa Forte. As vereadoras Carol Ribeiro, Janete Pietá e Sandra Gileno também integraram a caravana.
 
A mobilidade em Guarulhos é problema recorrente e que conta com o apoio de outros deputados que manifestaram apoio integral nos desdobramentos da pauta. A luta envolve os deputados federais Vanderlei Macris, Gilberto Nascimento, Major Olímpio Gomes, Orlando Silva, Luis Lauro, Goulart, Roberto Lucena e a deputada Keiko Ota. O deputado estadual Gileno Gomes e o representante da Copertrans, Alemão, também prestigiaram a audiência.
 
 
 
Desdobramentos
 
No encerramento dos trabalhos, o deputado Eli  adiantou que, em função do contexto de irresponsabilidade e desrespeito ele vai ingressar com “ação judicial na Justiça Federal de Guarulhos para que, em juízo, possamos ouvir o MP e a GRUAirport em busca de uma decisão judicial”.
 
A recusa de participação da audiência da Prefeitura, da autarquia e da concessionária foi considerada pelo deputado com uma “cortina de fumaça”. Ele ponderou que a ação judicial é “uma atitude que vai no limite, porque a população está sofrendo, e há ansiedade daqueles que representam a população que não são atendidos”.
 
Eli também sugeriu a formação de uma subcomissão especial na Comissão de Viação e Transportes (CVT) para discutir o tema. Outra ação em curso é a formação de uma Frente Parlamentar que já conta com 190 nomes e, portanto, tem a quantidade necessária para sua constituição.
 
Todas as medidas estão sendo adotadas porque, conforme destacou Eli Corrêa, “a boa vontade já está no limite, a população está a ponto de uma revolta muito maior”, afirmou.