Política

Divulgação de panfleto que liga Eli Correa ao PT vira caso de polícia

Um panfleto assinado pelo movimento VemPraRua.net Guarulhos – que liga o pré-candidato do DEM, Eli Correa Filho, ao PT e a seu pré-candidato Elói Pietá – virou caso de polícia na manhã desta quinta-feira. Adriano Eli Correa (o verdadeiro nome do pré-candidato) aparece como “vítima” em um Boletim de Ocorrência por calúnia no 1º Distrito Policial de Guarulhos. Ele  acusa, entre outros, o jornal Guarulhos Hoje de estar por trás da publicação, além do líder do grupo e a pessoa que seria responsável pela distribuição por ataques infundados a sua honra. 
 
O advogado do jornal, Alexandre Cadeu Bernardes, informa que a acusação não tem qualquer fundamento e que existe tentativa por parte de aliados de Eli de “tentar calar a imprensa de Guarulhos”. Segundo ele, o panfleto é assinado pelo movimento VemPraRua e que o jornal não mantém qualquer relação com a publicação que, inclusive, “não seria apócrifa”. 
 
Representantes do PMDB, partido que apoia Eli, informaram que os jornais estavam sendo distribuídos por pessoas, que teriam indicado que um homem chamado Max seria o responsável pela ação. “O jornal Guarulhos Hoje tem sua distribuição terceirizada para a empresa de um Max, mas não tem qualquer responsabilidade por outros serviços que ele possa prestar”, afirmou o advogado. Ainda segundo representantes do partido, eles teriam encontrado exemplares da publicação dentro do prédio do Guarulhos Hoje, o que é negado pelo representante do veículo. 
 
Liderados pelo vereador Romildo Santos (DEM) e pelo presidente do PMDB, Rabih Khalil, um pequeno grupo de manifestantes esteve na frente do prédio do Guarulhos Hoje para protestar. Depois eles se dirigiram ao 1º Distrito Policial para acompanhar o registro da ocorrência. 
 
Representantes do partido informaram ainda que o líder do VemPraRua, identificado como Antonio Carlos Fuscaldo, seria ligado ao PPS, do pré-candidato Guti (PSB), e estaria envolvido na confecção dos panfletos. Já Fuscaldo, por sua vez, admitiu em depoimento que deu espontaneamente no 5º DP de Guarulhos que é o responsável pelo material, que fez baseado em informações que circulam no meio político.  “Tudo que foi publicado é de notório conhecimento e tem saído na mídia, como as ligações apontadas do Eli com pessoas próximas ao PT”, disse.  
 
Bernardes entende que o vereador Romildo Santos (DEM) e o presidente do PMDB, Rabih Kalil, podem ter cometido um crime ao recolher os jornais da rua das mãos das pessoas contratadas pela distribuição. “A questão é bem simples. Se os fatos narrados no panfleto forem verdadeiros, não há crime algum (calúnia, injúria ou difamação). Por sua vez, não havendo crime, a apreensão do material por ordem dos partidos DEM e PMDB, impedindo a livre distribuição do material, se configuraria nos crimes de exercício irregular da próprias razões e constrangimento ilegal, além de violar a liberdade de expressão, dentre outros gravames que antecedem o período pré-eleitoral”, afirmou.
 
Em contato com o GuarulhosWeb, representantes do PMDB dizem que o jornal é apócrifo já que não tem um jornalista responsável, a gráfica onde foi rodado nem a tiragem. No BO, Adriano Eli Correa aponta que se sentiu ofendido pela frase: “Empreiteiras da Lava Jato financiaram campanha do deputado Eli Correa”. No entanto, o GuarulhosWeb checou a prestação de contas da campanha de 2014 e as empreiteiras citadas do panfleto foram doadoras de Eli, por meio de repasses feitos à Direção Estadual do DEM, e estão envolvidas na Lava Jato. 
 
O GuarulhosWeb procurou o comando da pré-campanha de Eli Correa, que respondeu por meio de uma nota enviada por sua asessoria, que segue na íntegra:
 
"O meio político de Guarulhos foi agitado nesta quinta-feira com a distribuição de material de ataque ao deputado federal Eli Corrêa Filho  (DEM/SP). O deputado lamentou o ocorrido e atribuiu a ação como retaliação a pesquisa do Ibope divulgada esta semana que o coloca em vantagem nas intenções de voto. 
 
"O medo e a falta de propostas à altura de Guarulhos resultam nisso", afirma.  Eli afirmou que está tranquilo porque não precisa ter medo da mentira. "Nossa meta é discutir Guarulhos com seriedade e respeito ao cidadão", adiantou. O deputado ressaltou, ainda, que não existe mais espaço para o vale-tudo eleitoral. "Guarulhos não pode ser tratada como prêmio de campeonato. A cidade tem problemas graves e quem quer cuidar dela tem de estar à altura de sua grandeza".
 
A distribuição do material viola a lei e os responsáveis cometeram crime eleitoral. Por tais razões, Eli Correa já está adotando todas as medidas judiciais cabíveis."
 
 
Para que o leitor possa entender melhor o caso, o GuarulhosWeb reproduz o panfleto, assinado pelo movimento VemPraRua.net.