Estadão

Dólar opera em baixa com leilões do BC, mas cenário externo limita recuo

Na contramão da tendência de alta que prevalece no exterior, o dólar abriu em baixa ante o real nesta segunda-feira, 27. O comportamento reflete o anúncio do Banco Central na sexta-feira, de começar a oferecer liquidez extraordinária aos mercados, por meio de leilões de contratos de swap cambial, como forma de atender à demanda maior por moeda estrangeira típica do período de final de ano. Mas o cenário internacional segue vivo no rol de influências sobre o câmbio nesta manhã e já mostra limitação ao movimento de baixa por aqui.

Lá fora, os investidores permanecem atentos ao imbróglio da chinesa Evergrande e aguardam pronunciamentos de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), que poderão das pistas dos próximos passos na política monetária.

Há instantes, o dado de encomendas de bens duráveis nos Estados Unidos mostrou alta de 1,8% em agosto ante julho, número muito acima das estimativas do mercado, de 0,6%. Dados fortes da economia elevam a perspectiva de redução dos estímulos monetários nos EUA. Com isso, o dólar reforçou a tendência de alta ante moedas de países emergentes e exportadores de commodities.

Às 9h38, o dólar à vista era negociado a R$ 4,3399, em baixa de 0,07%. No mercado futuro, a divisa para liquidação em outubro recuava 0,03%, aos $$ 5,3420.

Os leilões para atender à demanda pontual de fim de no ligada ao overhedge dos bancos (proteção cambial adicional dos bancos) acontecerão às segundas e quartas-feiras, com início hoje. A medida é habitual, mas surpreendeu os marcados por ter acontecido mais cedo que nos últimos anos, o que pode sugerir algum desconforto da autoridade monetária com o atual nível do câmbio, na avaliação de alguns analistas.

Tags