Estadão

EUA: Biden celebra 200 dias de governo e diz que trouxe economia de volta

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, comemorou nas redes sociais a marca de 200 dias de seu governo e disse que trouxe a economia do país de volta da crise gerada pela covid-19. A posse do democrata no cargo foi em 20 de janeiro. Sem agenda pública neste domingo, o chefe da Casa Branca usou o Twitter para se manifestar.

"Em nossos primeiros 200 dias, trouxemos de volta a economia, vacinamos 165 milhões de americanos, colocamos cheques no bolso de milhões de pessoas e muito mais", escreveu o mandatário na rede social. "Estamos reconstruindo melhor a cada dia – e apenas começando."

Nesta sexta-feira, 6, Biden comemorou, durante uma coletiva de imprensa, o aumento do emprego nos EUA. De acordo com dados do Departamento do Trabalho americano, o país preencheu 943 mil postos em julho. A taxa de desemprego caiu de 5,9% para 5,4% no período.

Biden aproveitou para dizer que seu plano econômico funciona, mas alertou para os riscos representados pela variante delta do coronavírus e voltou a defender a vacinação como pré-requisito para a continuidade da recuperação da economia.

"O que é indiscutível agora é que o plano Biden está funcionando. O plano Biden produz resultados e está fazendo o país avançar", declarou. O chefe da Casa Branca também destacou o pacote fiscal aprovado em março, que previa o envio de cheques emergenciais às famílias.

Ele ainda agradeceu aos senadores democratas e republicanos que elaboraram o texto do pacote de infraestrutura de US$ 1 trilhão que tramita agora no Congresso. Neste fim de semana, o Senado abriu sessão para analisar a matéria.

A criação de vagas de trabalho nos EUA em julho veio acima da mediana das estimativas do <b>Projeções Broadcast</b>, que indicava 900 mil novos empregos. "Minha mensagem de hoje não é de celebração, é para nos lembrar que temos muito trabalho árduo a ser feito", ponderou Biden no pronunciamento de sexta.

Segundo o democrata, o país pode "derrotar" a variante delta, mais contagiosa que as anteriores, mas precisa aumentar a imunização. Por isso, ele voltou a pedir aos americanos que ainda não se vacinaram que busquem uma dose.