Estadão

EUA e UE decidem bloquear bens de presidente e chanceler russos

A União Europeia (UE) decidiu nesta sexta-feira, 25, congelar bens europeus do presidente da Rússia, Vladimir Putin, e de seu ministro das Relações Exteriores, Serguei Lavrov. Mais tarde, a Casa Branca afirmou que os EUA também vão impor sanções aos dois, em uma rara, mas não sem precedentes, medida americana contra um chefe de Estado.

A decisão unânime da UE, que faz parte de um pacote de sanções mais amplo, indicou que as potências ocidentais estão adotando medidas sem precedentes para tentar forçar Putin a impedir a invasão total do país vizinho e desencadear uma enorme guerra na Europa.

Esta é a segunda onda de sanções da Europa contra a Rússia, mas até então as medidas atingiam apenas pessoas do círculo próximo de Putin, bancos e instituições financeiras. Após apelos do presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, os líderes europeus concordaram em impor os congelamentos a Putin e Lavrov, e não descartam uma terceira rodada de ações.

"O mais importante é que Putin e Lavrov, responsáveis por esta situação, sejam severamente punidos pela UE", declarou a ministra alemã das Relações Exteriores, Annalena Baerbock, ao chegar à reunião em Bruxelas. "Vamos atingir o governo de Putin onde deveria ser atingido: não apenas o plano econômico e financeiro, mas no centro do poder."

O ministro das Relações Exteriores da Áustria, Alexander Schallenberg, disse que a medida seria "um passo único na história em direção a uma potência nuclear, um país que tem assento permanente no Conselho de Segurança, mas também mostra o quão unidos estamos". "Posso garantir que se você tiver grandes ativos e, de repente, não puder obtê-los, isso lhe custará", disse o chefe de relações exteriores da UE, Josep Borrell. Não ficou claro qual seria o impacto prático sobre os dois homens e qual a importância de seus ativos na UE.

Em Washington, a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, disse que a decisão de mirar Putin, Lavrov e outras autoridades foi tomada depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, manteve uma conversa por telefone com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

<b>Retirada do Swift</b>

As sanções de ontem também terão como alvo as elites russas e dificultarão as viagens de diplomatas, mas os líderes da UE optaram por não restringir as importações de energia ou cortar a Rússia do Swift – a Sociedade de Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)
As informações são do jornal <b>O Estado de S. Paulo.</b>