Estadão

Grêmio anuncia afastamento de sete jogadores e dirigente diz: É matar ou morrer

O Grêmio surpreendeu ao anunciar nesta segunda-feira o afastamento de sete jogadores do elenco a dez dias do término do Campeonato Brasileiro. A decisão foi confirmada por Dênis Abrahão, vice-presidente de futebol do clube gaúcho. Os jogadores que não fazem mais parte do grupo, do técnico Vagner Mancini, para a atual temporada são: os laterais Léo Pereira, Guilherme Guedes e Léo Gomes, o zagueiro Paulo Miranda, o meia Jean Pyerre, além dos atacantes Everton e Luiz Fernando.

"O elenco fica com 25 jogadores, que é o número que o técnico me pediu para trabalhar nesses 3 jogos que restam para nós sairmos dessa zona infernal. Faltam 10 dias e esses 10 dias são decisivos para a nossa manutenção na Série A. Nós precisamos trabalhar com menos gente. Mais focados, mais concentrados", explicou o dirigente sobre os afastamentos.

Dos jogadores citados, Léo Pereira e Léo Fernando têm contrato apenas até o final do ano e não continuarão no elenco visando a próxima temporada. Everton e Paulo Miranda, conforme disse o vice-presidente de futebol, também não fazem parte dos planos da equipe, independente do rebaixamento ser confirmado, ou não.

"O Everton tem mais um período de contrato com o Grêmio e nós vamos tentar fazer negócio. Ele não está nos planos para o próximo ano. O Paulo Miranda também não está nos planos para o próximo ano. O Léo Pereira não é jogador do Grêmio e nós teríamos que optar pela compra do passe. Nós vamos ver se vamos optar ou não. Em princípio não", contou.

O caso que mais chamou atenção, no entanto, foi o de Jean Pyerre, que chegou a entrar em campo na derrota por 3 a 1 frente ao Bahia, na última sexta-feira. Dênis encheu a bola do jogador, mas deu a entender que o futuro do atleta será longe de Porto Alegre. Ele também confirmou uma proposta do Alavés, da Espanha.

"O Jean Pyerre não está nos planos para os próximos anos também, a não ser que mude substancialmente. Oportunidades não faltaram. Ele não entrega. Ele tem tudo para ser um craque, mas não consegue se firmar. Não dá sequência. Não está afim e não queria jogar. Estava desconfortável", completou.

Questionado sobre Douglas Costa, que foi visto em um pagode no último domingo, o dirigente tratou de minimizar a situação. "Mas querido (repórter), ele (Douglas Costa) tá de folga! O que tu quer que eu faça? O que tu quer que o Grêmio faça? Cada um sabe das suas responsabilidades. O jogador tem que saber o que é bom para ele e o que não é. Quer que eu puna ele porque ele saiu na folga? Eu vou enjaular ele?", retrucou.

Com 36 pontos, o Grêmio ocupa a 18ª colocação, e precisa vencer os três próximos jogos, a começar do duelo contra o São Paulo, na quinta-feira, para tentar escapar do rebaixamento.

"Ou ganha, ou tá fora. Agora é a hora da verdade. Agora é a hora do Grêmio. São três jogos. É matar ou morrer. Chega de angústia, de ansiedade. Agora ou mata, ou morre", finalizou.