Estadão

Israel inaugura embaixada nos Emirados Árabes Unidos

Israel inaugurou, nesta terça-feira, 29, sua embaixada em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, primeira representação diplomática do país no Golfo Pérsico. O acontecimento histórico foi acompanhado pelo ministro das Relações Exteriores israelense, Yair Lapid, em uma visita inédita após a normalização de relações bilaterais entre os países em setembro de 2020.

Durante a inauguração da embaixada, Lapid agradeceu ao atual primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, às autoridades dos Emirados Árabes, ao ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e ao atual presidente americano, Joe Biden, por apoiarem o processo de aproximação entre os dois países, e ao ex-primeiro-ministro do país, Binyamin Netanyahu, que deixou o cargo após ser derrotado pela coalizão liderada por Bennett e Lapid.

A mídia israelense destacou as referências ao ex-primeiro-ministro no discurso. O <i>Jerusalém Post</i> afirmou que Lapid chamou Netanyahu de "o arquiteto dos Acordos de Abraão", e que "trabalhou incansavelmente para realizá-los". O <i>Haaretz</i> escreveu que o chanceler ainda acrescentou que "este momento é tanto dele quanto nosso".

Além das menções aos líderes envolvidos nos acordos que restabeleceram as relações diplomáticas entre os dois países, o chanceler também convocou os demais países vizinhos para iniciarem diálogos com Israel. "Israel quer paz com todos os seus vizinhos", disse Lapid no discurso. "Não vamos a lugar nenhum. O Oriente Médio é nossa casa e viemos para ficar, por isso pedimos a todos os países da região que reconheçam isso e falem conosco."

Ele ainda disse que a paz "não é um compromisso. É a escolha mais definitiva que podemos fazer … A guerra é a rendição a tudo o que há de mau dentro de nós; a paz é a vitória de tudo o que é bom".

A inauguração da embaixada é apenas parte da agenda do chanceler israelense nos Emirados Árabes. O cronograma da viagem oficial ainda prevê um encontro com o ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos, com as conversas provavelmente se concentrando no Irã, considerado pelos dois países como uma das principais ameaças regionais.

A maior preocupação é que o acordo nuclear do Irã com as potências mundiais não tenha ido longe o suficiente para conter o alcance de Teerã na região. As reservas dos dois países sobre o acordo ajudaram a impulsionar laços discretos, muito antes de eles anunciarem formalmente relações diplomáticas plenas no ano passado.

O governo Biden, no entanto, está pressionando para reviver e expandir o acordo, do qual Trump retirou os EUA em 2018. No início desta semana, Lapid foi citado como tendo dito que Israel tem sérias reservas sobre o acordo nuclear que está sendo discutido em Viena, mas prometeu que Israel faria suas objeções em particular.

Após a declaração, durante encontro com o presidente de Israel, Reuven Rivlin, nessa segunda-feira, 28, Biden prometeu que o Irã nunca teria armas nucleares enquanto estivesse no governo..

A decisão dos Emirados Árabes Unidos de normalizar os laços com Israel marcou a primeira vez em mais de duas décadas que um estado árabe estabeleceu relações com Israel, seguindo o Egito e a Jordânia em 1979 e 1994, respectivamente. Após os Emirados, Bahrein, Sudão e Marrocos também anunciaram acordos similares. (Com agências internacionais).