Estadão

Lucro do BNDES sobe 32% e atinge R$ 12,9 bi no 1º trimestre

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) registrou lucro líquido de R$ 12,9 bilhões no primeiro trimestre, alta de 32% ante igual período de 2021, informou nesta quinta-feira a instituição de fomento. Em nota, o banco informou que o desempenho foi impactado por uma reclassificação contábil na participação acionária detida no frigorífico JBS (R$ 5,8 bilhões), pela receita com dividendos da Petrobras (R$ 3,0 bilhões) e pelo resultado líquido da venda de ações (R$ 1,3 bilhão).

O produto da intermediação financeira atingiu R$ 4,9 bilhões, 12% acima do registrado no primeiro trimestre de 2021. Esse resultado foi influenciado "pela elevação na taxa Selic, que remunera a carteira de tesouraria", diz a nota do BNDES.

Os desembolsos para empréstimos vigentes somaram R$ 14,8 bilhões nos três primeiros meses de 2022, alta de 31% frente igual período de 2021. Médias, pequenas e microempresas ficaram com 38,1% dos recursos liberados. A carteira de crédito expandida atingiu R$ 442,9 bilhões no encerramento do primeiro trimestre, redução de 1,6% ante o fechamento de 2021.

A carteira de participações societárias totalizou R$ 79,2 bilhões no fechamento do primeiro trimestre, 19% acima do fechamento de 2021. Segundo a nota do BNDES, a reclassificação contábil da participação acionária no JBS puxou a valorização.

Segundo o banco de fomento, a inadimplência até 90 dias se manteve baixa, em 0,21% no fechamento do primeiro trimestre.