Estadão

Nicarágua cancela status de universidade que foi berço de movimento contra Ortega

Deputados aliados ao regime de Daniel Ortega, na Nicarágua, cancelaram nesta quarta-feira, 2, o status legal de 16 organizações sem fins lucrativos do país. Entre elas, está a Universidade Politécnica da Nicarágua (Upoli), palco de protestos estudantis anti-regime em 2018. As informações são do jornal Confidencial.

Os parlamentares alegaram que as instituições não cumpriam o determinado pela Lei Geral sobre Pessoas Jurídicas sem Fins Lucrativos e pela Lei contra o Branqueamento de Capitais, o Financiamento do Terrorismo e o Financiamento da Proliferação de Armas de Destruição Maciça.

Além da Upoli, tiveram seus registros cancelados duas outras universidades: a Universidade Católica Agropecuária dos Trópicos (Ucatse) e a Universidade Paulo Freire Associação (UPF). Outras organizações como a Associação de Estudos Humanitários (Uneh), a Associação Popular da Nicarágua (Uponic), a Associação das Escolas Paroquiais da Diocese de Estelí e a Cáritas Diocesana de Estelí também foram cassadas.

O cancelamento do status legal das organizações teria sido solicitado pela chefe do departamento de registro e controle de associações civis sem fins lucrativos do Ministério do Interior (Migob), Franya Urey Blandón, afirma o Confidencial. Blandón teria argumentado que as instituições "não são muito transparentes na administração de fundos" e que o Migob "desconhece a forma como os executam e se estão de acordo com os objetivos e finalidades para os quais a Assembleia Nacional lhes concedeu personalidade jurídica"

Com os novos cancelamentos, ao menos 77 instituições já foram cassadas pelo regime de Ortega desde 2018.