Estadão

Powell diz que Fed precisa avaliar efeitos da Ômicron na economia dos EUA

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, afirmou que a autoridade monetária precisa avaliar os efeitos da variante Ômicron da covid-19 na economia dos EUA, pois "não estão claros os seus efeitos sobre a inflação e demanda".

Powell destacou que os dirigentes do Fed estão "confortáveis para lidar com a Ômicron, sem o programa de afrouxamento quantitativo", que poderá ser encerrado pelo banco central americano em março.

O presidente do Federal Reserve também destacou que "vamos observar" se a alta dos salários supera a produtividade total de fatores da economia, o que segundo ele ainda não ocorreu.

Ele fez os comentários em entrevista coletiva após a conclusão da reunião do Fed de dezembro, encerrada nesta quarta-feira.

Powell afirmou ainda que com a projeção de dirigentes do Fed que a taxa de desemprego atingirá 3,5% em 2022, tal fato representará que a economia dos EUA estará forte e será coerente com uma ação de política do BC americano.

De acordo com o gráfico de pontos de projeções macroeconômicas divulgadas nesta quarta pela instituição oficial, a maioria dos membros do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC) passou a prever que ocorrerão três elevações dos juros em 2022.

"Há a mediana de 3 altas de juros no próximo ano pelos membros do FOMC, mas pode mudar se o ritmo do nível de atividade enfraquecer", comentou Powell, em entrevista coletiva.

De acordo com Jerome Powell, os dirigentes do Federal Reserve estão abertos para modular a política monetária de acordo com a evolução do mercado de trabalho nos EUA. "Mas com a inflação alta do jeito que está é preciso tomar decisões em tempo real."