Início » Que diferentes flores possam emergir em Belém!
Mundo das Palavras

Que diferentes flores possam emergir em Belém!

No início dos anos 2000, dois arquitetos se responsabilizavam pela preservação do acervo grande arquitetônico de Belém – um, Paulo Chaves, era secretário de Cultura, de um governador do PSDB; outro, Edmilson Rodrigues, comandava a administração petista da capital. Cujo espaço mais nobre, à época em que sediou o Gram-Pará, estado independente do Brasil, dentro do reino português estava, em boa parte, recuperado. 

Isto poderia ser comprovado por quem se dirigisse ao Largo do Carmo, a partir da primeira edificação da cidade, o Forte do Presépio. Ou por quem, a partir daquele ponto, descesse a Rua Padre Champagnat, em direção do Largo do Palácio. Por toda aquela área se espalhavam obras mantidas em boas condições levantadas por construtores religiosos, desde a fundação de Belém, em 1616 – como a Igreja de Santo Alexandre, e, o Palácio do Arcebispo –, e, obras do século seguinte realizadas pelo brilhante arquiteto italiano Antonio Giuseppe Landi – como o Hospital Militar, e, o Palácio dos Governadores.

Paulo e Edmilson tinham estudado na mesma Faculdade de Arquitetura, a da UFPA. Não havia diálogo possível entre seus partidos, embora ambos atuassem no Centro Histórico. 

Naquela boa fase, até o aterramento das fiações elétricas e telefônicas da primeira rua – a do Norte, hoje, Siqueira Mendes – chegou a ser cogitada. A prefeitura havia revitalizado o Mercado do Ver-o-Peso, e, recuperado as fachadas das lojas da mais importante via comercial da Belle Époque paraense, a Rua João Alfredo. Nela, reinstalou parte dos trilhos de uma antiga linha de bonde que, então, passou a ser usada por turistas. 

Desgraçadamente, contudo, depois deste período, o acervo arquitetônico de Belém ficou entregue a gestores municipais que trouxeram um inquietante pesadelo a quem valoriza os bens da cultura amazônica. O descaso deles chegou a um ponto em que deixaram de se importar até mesmo com as reações constrangedoras dos turistas diante da exposição pública de fezes humanas: no Memorial e no coreto de uma das mais belas praças do País, a da República; na calçada do secular convento franciscano, e, inclusiva, nas gramas do Largo do Palácio, chamado assim, popularmente, porque diante dele fica o majestoso Palácio Antônio Lemos, sede da prefeitura. Portanto, da janela de seu gabinete os prefeitos daquela fase medonha avistaram, indiferentes, o estado lastimável da praça. 

Agora, Edmilson, hoje, no PSOL, foi reeleito prefeito. Livrando os belenenses do partido dos políticos que infelicitaram a cidade deles nos últimos 16 anos. Do próprio governo do Pará, já tinham sido escorraçados, há dois anos. 

O que se pode desejar, neste instante, se não que flores de muitos tipos floresçam em Belém, livres do sectarismo intolerante? Não foi isto que ensinaram, os chineses, no passado?

(Ilustração: Flores do Mangal das Garças, em Belém, em foto de Rafaela Coimbra)  

Comentar

Clique aqui para comentar