Estadão

Relatório da CPI da Prevent Senior em SP pede indiciamento dos irmãos Parrillo

A CPI da Prevent Senior da Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta segunda-feira, 4, por unanimidade, o relatório final que propõe indiciamento de 20 pessoas, entre executivos e médicos da operadora de saúde. Os irmãos Eduardo Parrillo e Fernando Parrillo, proprietários do plano de saúde, estão entre os indiciados. Durante as investigações da comissão, eles não compareceram nas três tentativas de depoimentos que foram convidados. Cópias do documento serão enviadas para 15 órgãos, dentre eles: Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP), Polícia Civil de São Paulo e Tribunal de Contas do Município.

O documento redigido pelo vereador Paulo Frange (PTB) aponta que a comissão apurou a ocorrência de cinco tipos de crimes: homicídio e tentativa de homicídio, perigo para a vida ou saúde de outrem, omissão de socorro, crime contra a humanidade e falsidade ideológica.

Os irmãos Parrillo foram indiciados por omissão de socorro, por ter negado o devido atendimento médico a milhares de pacientes que buscaram tratamento eficaz contra a covid-19 e receberam medicação ineficaz contra a doença. Entretanto, Eduardo Parrillo também foi indiciado por crime contra a humanidade, previsto no Tribunal Penal Internacional de Roma, por distribuir medicamentos sabidamente ineficazes e promover pesquisas em seres humanos, desrespeitando as normas legais.

Aos outros 18 médicos citados no documento foram atribuídos a participação na elaboração do protocolo de manejo clínico, na colaboração de distribuição de medicamentos ineficazes contra a covid-19 e a elaboração de pesquisas em seres humanos sem a devida observância das normas legais.

Inicialmente, o relatório pedia o indiciamento de 21 pessoas. Entretanto, após a votação, os parlamentares optaram por excluir o nome da médica e ex-funcionária da Prevent Senior Carla Guerra, sob a justificativa de que ela teria colaborado com as investigações. Carla foi alvo de pedido de indiciamento no relatório final da CPI da Covid no Senado por perigo para a vida ou saúde de outrem e crime contra a humanidade.

Com as investigações, a CPI constatou que a Prevent Senior adotou um protocolo institucional para tratamento contra a covid-19 com medicamentos comprovadamente ineficazes, além de ter realizado pesquisas com seres humanos e ferido a autonomia médica ao impor aos seus funcionários a doutrina da aplicação do "Kit Covid", composto de medicamentos sem comprovação científica que era enviado para os clientes do plano de saúde diagnosticados com a doença.

O grupo ainda relembra uma ideia que foi citada por muitas vezes durante as oitivas: de que os hospitais da empresa possuem taxas de letalidade elevada entre os pacientes hospitalizados com Síndrome Respiratória Aguda.

A comissão da Câmara pediu indiciamento de mais pessoas relacionadas à Prevent Senior do que a CPI da Covid no Senado Federal. Para o vereador Frange, isso se dá pela diferença de profundidade entre as duas investigações. "Nós avançamos muito porque a CPI do Senado Federal foi uma CPI genérica e não entrou na situação específica da Prevent no município de São Paulo. Nós aqui tivemos a oportunidade de aprofundar tudo isso, por isso que surge o caso de mais 20 pessoas indiciadas. O Senado indicou 10", disse Frange em coletiva de imprensa.

<b>COM A PALAVRA, A PREVENT SENIOR</b>

"A Prevent Senior contesta o relatório, as sugestões de indiciamentos e reafirma ter total interesse em que investigações técnicas, sem contornos políticos, possam restabelecer a verdade dos fatos.

A direção da Prevent Senior, seus mais de 3 mil médicos e 12 mil colaboradores seguirão trabalhando para prestar atendimento de excelência aos seus mais de 550 mil beneficiários, como tem feito ao longo dos seus 25 anos de existência, sem qualquer vínculo político."