Estadão

Siron Franco presta tributo às vítimas da pandemia

Montada desde o último sábado, 15, na Avenida Paulista, a instalação Renascimento, do artista goiano Siron Franco, presta homenagem, por meio de 365 manequins suspensos a seis metros de altura, às vítimas da pandemia do covid-19 e aos profissionais de saúde. Na verdade, o título da obra seria Ressurreição, referência ao episódio do Novo Testamento, mas, em comum acordo com os organizadores da mostra, Siron Franco concordou com a troca do título. A mostra é uma parceria da Casa das Rosas, que cedeu seu jardim externo para a instalação, com o Museu da Imagem e do Som.

"Bem no início da pandemia, tirei um manequim para limpar em meu ateliê de Aparecida de Goiânia e pendurei num varal a alguns metros de altura", conta Siron. "O número de vítimas da covid-19 foi aumentando, e surgiu a ideia dessa instalação para criticar o negacionismo de pessoas avessas à vacinação". A instalação, ainda segundo o artista, sugere a imagem de uma população que "flutua", projetando sombras conforme a incidência da luz solar. Mais conhecido como pintor, o artista considera Renascimento mais como uma "pintura flutuante", em que os personagens encapuzados "interrogam" o espectador. O número de manequins corresponde a cada dia do ano e é carregado de simbolismo.

Os bonecos representam, segundo ele, "os que se foram, bradando pela união das pessoas". Siron acredita que a solidariedade cresceu durante a pandemia, mas ainda é insuficiente. O pintor produziu no passado obras sobre tragédias que afetaram o Brasil, entre elas uma série produzida em 1987, logo que aconteceu o histórico acidente radioativo com o césio 137 em Goiânia.
As informações são do jornal <b>O Estado de S. Paulo.</b>