Início » Tribunal confirma condenação de deputado Bolsonarista por ofensas a Alexandre
Estadão

Tribunal confirma condenação de deputado Bolsonarista por ofensas a Alexandre

Os desembargadores da 5ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmaram a sentença que condenou o deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ) por ter se referido ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, de forma pejorativa, chamando-lhe de cabeça de ovo , cabeça de piroca , Alexandre de Morais você é um lixo , você é um esgoto . Os magistrados, no entanto, acolheram parcialmente um recurso do parlamentar aliado do presidente Jair Bolsonaro e reduziram o valor a ser pago a Alexandre de R$ 70 mil para R$ 50 mil.

Em julgamento realizado na sexta-feira, 10, os magistrados seguiram o entendimento do relator J.L. Mônaco da Silva, que ressaltou que as palavras usadas por Otoni de Paula nas publicações não estão sob o manto da imunidade material parlamentar. Na avaliação do desembargador, as expressões ofensivas cabeça de piroca e cabeça de ovo não podem ser consideradas um mero dissabor e tampouco conduta de caráter inofensivo, existindo efetiva lesão à honra .

"A liberdade de expressão deve ser exercida com consciência e responsabilidade, em respeito a outros valores igualmente importantes e protegidos pelo texto constitucional, quais sejam, a dignidade da pessoa humana, a intimidade, a vida privada e, sobretudo, a honra e a imagem, que, uma vez expostas de forma vexatória, reclamam a devida reparação", ponderou o relator.

Por outro lado, o magistrado considerou que o valor fixado na sentença proferida pelo juízo da 44ª Vara Cível de São Paulo, de R$ 70 mil, comportava redução para R$ 50 mil. De acordo com o desembargador, o montante compensa os transtornos e constrangimentos suportados por Alexandre, uma vez que Otoni de Paula teria atendido prontamente comando judicial retirando os vídeos questionados das mídias sociais .

Bolsonarista de primeira hora, Otoni de Paula foi recentemente alvo de mandado de busca e apreensão expedido por Alexandre de Moraes, a pedido da Procuradoria-Geral da República. Ele e outros aliados do presidente são investigados por suspeita de articular atos violentos contra o Congresso e o STF.