Voz atitude

Sempre presente em festivais e mostras de cinema pelo mundo, não é raro que documentários fossem ofuscados pelo sucesso das histórias de ficção e pelos rostos famosos na tela. Ao escolher a realidade como inspiração, o gênero se faz na mistura de ponto de vista com o improvável. Com o documentário Democracia em Vertigem, de Petra Costa, última nomeação brasileira de um filme ao Oscar, a cena audiovisual recebeu um gás para ir além. Deu voz a temáticas ligadas à negritude, e espaço nas grandes plataformas de streaming. Mas nem sempre foi assim.

Quando a diretora Juliana Vicente estreou o curta Cores e Botas (2010), o cinema ainda representava um campo de batalha por espaço, conta ao <b>Estadão</b>. "Eu sabia que nas produtoras tradicionais, comandadas por homens brancos, eu não ia conseguir contar minhas histórias", diz a responsável pela produtora Preta Portê Filmes. Com roteiro simples, o curta contava a saga de uma menina negra que tinha o sonho de se tornar paquita da Xuxa. Durante um concurso escolar, a garota percebe a sutileza do racismo ao ser considerada uma "paquita exótica", por uma das juradas.

Juliana também é o nome que entrevistou artistas, pesquisadores, cineastas, estilistas e produtores negros e negras para o documentário Afronta!, disponível na Netflix. A cada episódio, figuras brasileiras narram suas experiências ao empreender em negócios e os desafio de um mercado com forte presença masculina nas decisões de poder. Entre as entrevistas, nomes como a atriz e diretora Grace Passô, as cantoras Liniker e Karol Conka, e a deputada estadual Erica Malunguinho. "Na época, meu pai falava para eu esperar e aprender nessas produtoras, mas eu sabia que aquilo ia matar minha vontade de fazer cinema", aponta.

Enquanto a pauta do racismo e da negritude ganhou toda força possível em 2020, a diretora de Afronta! entende que seu documentário já estava pronto, antes mesmo de gravá-lo. "No começo, eu falava que era um documentário sobre meus amigos e quem mais chegava para falar. Percebi que o assunto já estava lançado. Em comparação com outras áreas, o rap é mais esperto quando se fala em conexão."

Para o músico e produtor Evandro Fióti, a pandemia transformou o espaço do streaming, e o gênero documentário foi recebido de braços abertos. "O audiovisual se tornou um abrigo. Muitos artistas estão revendo seus trabalhos e o considerando como nova ferramenta", afirma, em entrevista ao <b>Estadão</b>.

Embora um pouco estacionado, o cinema ainda vai continuar sentindo o impacto da pandemia, mas Petra Costa afirma que o lugar sempre será a casa da sétima arte. "Acredito que o cinema continua se reinventando e se adaptando aos novos contextos. E torço para que as salas de cinema continuem oferecendo uma experiência", acrescenta.

Foi o que o irmão do rapper Emicida com o documentário AmarElo – É tudo Pra Ontem, lançado neste ano na Netflix. Uma mescla de show no Teatro Municipal de São Paulo com um resgate histórico da influência negra na música e nas artes brasileira, o filme ambicioso ganhou destaque na plataforma e nas redes sociais. Uma chance de rever a ancestralidade negra que formou a cultura popular do nosso País, mesmo que às vezes tenha sido tratada como criminosa por isso. "O funk, o hip hop, enfrentam hoje a mesma discriminação do samba, considerado vadiagem no passado", lembra Fióti. "A intenção do documentário foi compreender que, se o curso da história não for corrigido, corremos o risco de perpetuar a desigualdade."

O documentário faz parte de mais um projeto de Fióti com Laboratório Fantasma, empreendimento criado há 11 anos, e cada vez mais híbrido, para gerenciar os negócios de música, moda, entretenimento e agora audiovisual, ao lado do irmão Emicida.
Durante a pandemia, Fióti percebeu que a receita de shows ainda representava grande parte do faturamento. Sem a chance de realizar eventos presenciais, a solução era ser cada vez mais mutante. Em abril, o lançamento do disco de Rael foi dentro de um simulador da vida real, o game Avakin Life, assistido por 602 mil pessoas – ou avatares. "A vanguarda da Semana de 1922, narrada no documentário, tem a ver com o futuro que queremos. Inspirar a juventude da periferia faz parte disso", diz Fióti.
Para a cineasta Petra, Democracia em Vertigem abriu os olhos da produção de documentários para o potencial do Brasil nas premiações mundiais. "Havia um preconceito enorme contra a categoria de documentários, e antes desta nomeação lembro muitas vezes de ouvir que era impossível nomearem um documentário como o representante brasileiro. Talvez a nomeação do documentário tenha aberto a consciência de alguns ao potencial desse gênero."

As informações são do jornal <b>O Estado de S. Paulo.</b>

Comentar

Clique aqui para comentar