Estadão

Apesar de alta no petróleo, Bolsa fecha em baixa de 0,55%, com baixa liquidez

Após o respiro da sexta-feira, quando obteve ganho de 1,56% na sessão, o Ibovespa inicia nova semana em terreno negativo, com a baixa liquidez pelo feriado em Nova York resultando em moderada realização de lucros para o índice da B3, mais uma vez refletindo o risco político, fator que vinha em segundo plano ante a retomada econômica. Hoje, fechou em baixa de 0,55%, aos 126.920,05 pontos, entre mínima de 126.531,07 e máxima de 127.632,71 pontos, com giro financeiro a R$ 23,6 bilhões. No mês, o Ibovespa limita os ganhos a apenas 0,09%, avançando agora 6,64% no ano.

"O Ibovespa se ajustou em relação à sexta-feira, avaliando em especial a piora da popularidade do governo de Jair Bolsonaro, em nova pesquisa. O dia foi de liquidez reduzida pelo feriado nos Estados Unidos, na medida em que os estrangeiros são responsáveis por cerca de metade do volume da nossa Bolsa", diz Victor Lima, analista da Toro Investimentos. Em junho, os investimentos externos em ações na B3 chegaram a R$ 16,626 bilhões, em termos líquidos, elevando o fluxo do ano, no primeiro semestre, a R$ 48,006 bilhões. Depois, os estrangeiros retiraram R$ 748,217 milhões da B3 na sessão da última quinta-feira, a primeira do mês de julho.

Ainda assim, "o Ibovespa fechou a última semana em alta, interrompendo sequência de três semanas em queda", observa Pietra Guerra, analista da Clear Corretora. "A Bolsa segue repercutindo as decisões da segunda fase da reforma tributária e também as tensões políticas, que trazem volatilidade para os mercados, por conta da CPI da pandemia e das investigações sobre as compras de vacinas", acrescenta.

Na Europa, as bolsas fecharam hoje em alta, apoiadas por ações do setor financeiro, que se recuperou após fortes quedas na sexta-feira, e de petroleiras, que subiram junto com os contratos da commodity no mercado futuro. À tarde, os contratos de petróleo acentuaram a alta, após a indicação e posterior confirmação de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+), pelo terceiro dia, não conseguiu chegar a acordo sobre a retomada gradual da produção, o que colocou a referência global, o Brent, acima de US$ 77 por barril pela primeira vez desde outubro de 2018.

Mesmo com o avanço das cotações da commodity e a confirmação de que a Petrobras elevará amanhã os preços nas refinarias, Petrobras ON e PN fecharam hoje, ambas, em baixa de 1,13%, com Vale ON em queda de 0,36%, também indiferente ao avanço do minério de ferro nesta segunda-feira.

Além das commodities, o dia foi negativo para outro setor de peso no índice, os bancos, que cederam entre 0,62% (BB ON) e 2,08% (Bradesco PN) nesta segunda-feira. As siderúrgicas tiveram desempenho misto na sessão, entre perda de 1,00% (Gerdau Metalúrgica) e ganho de 1,09% (CSN ON). Na ponta do Ibovespa, destaque para alta de 2,93% em Ambev, à frente de Copel (+1,84%) e Braskem (+1,77%). Na face oposta, Locaweb cedeu 2,72%, Bradesco PN, 2,08%, e B3 (-1,89%).

Tags