Início » Após rejeição da Anvisa, fabricante de Guarulhos afirma que pode exportar doses da Sputnik
Saúde

Após rejeição da Anvisa, fabricante de Guarulhos afirma que pode exportar doses da Sputnik

Diretoria colegiada da agência rejeitou por unanimidade o pedido e embasou sua decisão na falta de dados básicos para análise do produto e em falhas identificadas pela área técnica da Anvisa

Em entrevista à Rádio Bandeirantes nesta terça-feira, 27/4, o presidente da União Química, responsável pela produção da Sputnik V no Brasil, Fernando de Castro Marques, afirmou que, diante da recusa da Anvisa para a distribuição da vacina no país, o laboratório poderá exportar o imunizante.

“Nossa fábrica de Guarulhos está autorizada a funcionar, tudo publicado no Diário Oficial da União. Enquanto não produzimos o Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) na fábrica de Brasília, vamos receber de Moscou para iniciar o processo de produção no princípio de maio. Nós assinamos um contrato de 10 milhões de doses com o Programa Nacional de Imunização (PNI), dependendo da autorização da Anvisa. Nosso primeiro compromisso é esse. Agora, se até começarmos a produzir não houver liberação, vamos destinar a outros países”, afirmou Marques ao programa de José Luiz Datena.

“Já tenho uma carta de intenção de 2 milhões de doses da Argentina, mas tenho esse compromisso com o PNI. Quero resolver isso. Sou brasileiro, meus filhos estão aqui (…). Mas sem autorização, o que vamos fazer? Eu queria vender menos relaxante muscular, menos produtos para intubação e mais vacinas para salvar vidas. É para isso que vamos continuar lutando”, acrescentou o presidente.

Em reunião extraordinária, a diretoria colegiada da agência rejeitou por unanimidade o pedido e embasou sua decisão na falta de dados básicos para análise do produto e em falhas identificadas pela área técnica da Anvisa que podem comprometer eficácia, segurança e qualidade do produto. “Essa foi uma demanda judicial dos estados para tentar conseguir vacinas. Os governadores tomaram a decisão de ajuizar na Suprema Corte, não participamos do processo. Fizemos o que manda a lei: pedimos a solicitação de importação no dia 15 de janeiro. De lá para cá, passamos a fazer reuniões semanais com Anvisa, Instituto Gamaleya, fundo russo. Completamos documentos, atendemos exigências, discutimos processos. A Rússia inicialmente não era reconhecida como um país de agência ‘top’, mas o Congresso a incluiu em março, sem nenhum voto contrário. O presidente da República sancionou a lei. Mas de que adianta se a vacina não pode ser usada aqui?”, reclamou Marques.