Polícia

Assassinato de ex-secretário adjunto de Guarulhos pode ter sido encomendado, investiga a polícia

O assassinato do servidor público e empresário Aparecido Begosso, 66 anos, no final da tarde da última terça-feira, 19, dentro de um lava-rápido próximo ao Trevo de Bonsucesso, está sendo investigado pela Polícia Civil de Guarulhos. O caso, registrado como latrocínio (roubo seguido de morte), tem uma nova linha de investigação, que apura se o crime foi por vingança, numa execução.  

Segundo o GuarulhosWeb apurou, Cido Begosso, ex-secretário adjunto de Segurança Pública de Guarulhos na gestão do ex-prefeito Sebastião Almeida, estava dentro do escritório do lava-rápido de sua propriedade, quando três criminosos, com os rostos parcialmente encobertos, chegaram ao lava-rápido e renderam duas funcionárias, de quem roubaram os celulares.  

Dentro da sala, eles abordaram a vítima que chegou a gritar “não, não, não”, quando os disparos foram ouvidos. Ele morreu na hora atingido por tiros.  Havia R$ 300 em dinheiro no caixa do lava-rápido e notebooks, mas nada foi levado. Dois homens saíram correndo da sala. O terceiro, armado, chegou a apontar o revólver para as funcionárias.  

Logo após o crime, o carro utilizado pelos criminosos foi abandonado numa avenida em Cumbica. Um dos suspeitos chegou a ser preso. Com Patrick Gomes Bastos, foram encontrados três celulares. 

A polícia investiga ligações que Cido teria recebido dias antes do mesmo número de celular. As funcionárias contaram em depoimento à polícia que, em um dos telefonemas, o interlocutor o acusava de se envolver com mulheres casadas, sem apontar qualquer fundamento. Em outro dia, o mesmo homem teria dito que ele não honrava seus compromissos, deixando de pagar funcionários, o que pode indicar uma tentativa de intimidar a vítima. As informações não foram confirmadas, mas abrem uma nova linha de investigação, já que o assassinato pode ter sido encomendado.