Economia

BB e Petrobras recuam e puxam Ibovespa para baixo

A expectativa frustrada sobre um anúncio de reajuste dos combustíveis, o balanço considerado ruim do Banco do Brasil e a indefinição da nova equipe econômica permearam os negócios com ações na Bovespa e carregaram o principal índice à vista para baixo. Assim como em outros ativos, os investidores engataram compasso de espera, e o giro neste mercado nesta quarta-feira, 5, também foi mais fraco do que o dos últimos dias.

O Ibovespa terminou a sessão em baixa de 1,26%, aos 53.698,42 pontos. Na mínima, registrou 53.589 pontos (-1,46%) e, na máxima, 54.384 pontos (estabilidade). No mês, acumula perda de 1,70% e, no ano, ganho de 4,25%. O giro financeiro totalizou R$ 5,870 bilhões.

O mercado esperava uma resposta sobre o aumento da gasolina para ontem, quando o Conselho de Administração da Petrobras teve sua segunda reunião – a primeira foi na sexta-feira. E a única notícia após o encontro é a de que o ministro da Fazenda, Guido Mantega – presidente do conselho da estatal -, deu finalmente aval para o aumento, segundo apurou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado. A definição do porcentual e o início da vigência ainda não foram definidos e isso só deve acontecer em uma nova reunião, agora no dia 14 deste mês.

Pelos cálculos de economistas, se for autorizado um aumento de 4% a 5%, a inflação seguirá estourando o teto da meta, de 6,5% ao ano. Por essa razão, a ARX trabalha com a hipótese de um reajuste de 5% a ser praticado na primeira quinzena de dezembro, de modo a dividir o impacto sobre o IPCA, de 0,14 ponto porcentual, entre a segunda quinzena de dezembro e a primeira em janeiro, suavizando o impacto sobre o índice que baliza a meta de inflação neste ano.

Essa novela do reajuste, juntamente com a alta do petróleo no exterior, acabaram prejudicando as ações da estatal, que recuaram 2,74% na ON e 2,83% na PN. O petróleo subiu em meio a rumores sobre uma explosão num duto na Arábia Saudita.

Outro destaque negativo da sessão hoje foi Banco do Brasil, após balanço considerado fraco. A ação liderou as perdas do índice, com -7,93%, após anunciar lucro líquido ajustado de R$ 2,885 bilhões no período. O resultado é 10,5% maior do que o registrado em um ano e veio em linha com a projeção de analistas consultados pelo Broadcast. Mas a abertura trouxe dados considerados fracos.

No exterior, as bolsas europeias subiram e as norte-americanas operavam predominantemente em alta, depois dos dados da ADP mostrarem a criação de mais vagas do que o previsto no setor privado em outubro (230 mil ante 220 mil). Além disso, o avanço dos republicanos no Congresso também agradou, já que a leitura é de que eles são mais pró-empresas. O Dow Jones subia 0,41% às 17h19, o S&P avançava 0,41%, mas o Nasdaq perdia 0,17%.