Estadão

BoE: Bailey sinaliza aperto monetário adicional moderado nos próximos meses

Presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), Andrew Bailey afirmou que "provavelmente será apropriado um aperto monetário adicional moderado nos próximos meses" se a economia do Reino Unido seguir a trajetória esperada pelo BC britânico. Durante coletiva de imprensa que seguiu a decisão de subir o juro básico a 0,50% ao ano, Bailey alertou que seria um erro "estender" a alta de hoje e esperar que a taxa entre em uma "longa trajetória ascendente".

De acordo com o banqueiro central, a elevação do juro realizada nesta quinta-feira tem como objetivo controlar a inflação, mesmo em um cenário de moderação do crescimento econômico no Reino Unido durante o impacto causado pela variante Ômicron do coronavírus, o qual deve, porém, ser "limitado e curto", segundo Bailey. "Alta de juro é necessária pois é improvável que inflação volte à meta (de 2% ao ano) por si só", explicou.

Ele ressaltou que preços globais de energia, importações e o apertado mercado de trabalho no país são as principais causas da alta inflação, e a decisão de hoje não foi "movida pela demanda", como costuma ser quando o juro é elevado. Os riscos atrelados à inflação global ameaçam ficar "arraigadas" na economia britânica, alertou o dirigente, citando o impacto da alta dos preços sobre a renda e os salários.

"É esperado que o nível de salários cresça mais 4,75% em 2022, antes de moderar", disse Bailey, após ressaltar que as empresas estão repassando os maiores custos do emprego. De acordo com ele, a inflação só se dissipará quando os preços globais de energia estabilizarem. O dirigente ainda advertiu que há um nível de incerteza acima do normal quanto à perspectiva econômica.