Estadão

Bolsas da Ásia fecham em baixa com Fed, delta e temor regulatório na China

As bolsas asiáticas fecharam em baixa nesta quinta-feira, 19, após o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) sugerir que pode começar a reduzir suas compras de ativos antes do fim do ano e em meio a preocupações sobre possível aperto regulatório na China e o avanço da variante delta do coronavírus pelo mundo.

O índice acionário japonês Nikkei caiu 1,10% em Tóquio hoje, a 27.281,17 pontos, enquanto o chinês Xangai Composto recuou 0,57%, a 3.465,55 pontos, o Hang Seng teve queda de 2,13% em Hong Kong, a 25.316,33 pontos, o sul-coreano Kospi se desvalorizou 1,93% em Seul, a 3.097,83 pontos, seu menor nível em quatro meses, e o Taiex registrou expressiva perda de 2,68% em Taiwan, a 16.375,40 pontos.

O mau humor é em parte explicado pelo Fed. Nesta quarta-feira, o BC americano revelou em ata de política monetária que discutiu em julho a possibilidade de iniciar o chamado "tapering", como é conhecido o processo de gradual diminuição de compras de ativos, ainda em 2021.

Além disso, a rápida disseminação da delta e outras variantes do coronavírus também prejudica o apetite por risco. Na ata, o Fed ressaltou que esse fator reforça as incertezas sobre o cenário econômico global.

Já temores de que o governo chinês torne ainda mais severa a regulação contra empresas de tecnologia derrubaram hoje as ações de gigantes do setor. Em Hong Kong, o papel do Alibaba despencou 5,54% e o da Tencent sofreu tombo de 3,44%.

Exceção nesta quinta, o índice chinês de menor abrangência Shenzhen Composto teve alta de 0,20%, a 2.417,23 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana seguiu o tom majoritariamente negativo da Ásia, pressionado por mineradoras e petrolíferas, que sentiram os efeitos de quedas nos preços do minério de ferro e do petróleo. O S&P/ASX 200 caiu 0,50% em Sydney, a 7.464,60 pontos. (Com informações da Dow Jones Newswires e Associated Press).