Estadão

Bolsas da Ásia fecham sem direção única, parcialmente afetadas por perdas em NY

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta quinta-feira, 9, com parte delas acompanhando as perdas da quarta-feira em Wall Street após um relatório do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) mostrar que a atividade econômica dos EUA desacelerou nos últimos meses.

O índice acionário japonês Nikkei caiu 0,57% em Tóquio, a 30.008,19 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi recuou 1,53% em Seul, a 3.114,70 pontos, e o Hang Seng teve expressiva queda de 2,30% em Hong Kong, a 25.716,00 pontos, pressionado por ações de tecnologia após relatos de que o governo chinês irá suspender a aprovação de novos jogos online.

O mau humor em parte da Ásia veio após as bolsas de Nova York fecharem em baixa na quarta, quando o chamado Livro Bege do Fed mostrou que a disseminação da variante Delta do coronavírus, gargalos de oferta e escassez de mão de obra prejudicaram o ritmo de crescimento dos EUA durante os meses de verão.

Já na China continental, os mercados ficaram no azul hoje, impulsionados por ações de siderúrgicas e de produtoras de carvão. O Xangai Composto subiu 0,49%, a 3.693,13 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto teve ganho marginal de 0,07%, a 2.494,27 pontos. Em Taiwan, o Taiex apresentou leve valorização de 0,20%, a 17.304,33 pontos.

Dados oficiais mostraram que a taxa anual de inflação ao produtor (PPI) da China atingiu 9,5% em agosto, superando as expectativas e tocando o maior patamar em 13 anos. Por outro lado, a inflação anual ao consumidor chinês desacelerou para 0,8% no último mês.

<b>Oceania</b>

Na Oceania, a bolsa australiana teve perdas quase generalizadas, registrando sua maior perda diária em sete meses. O S&P/ASX 200 terminou o pregão em Sydney com queda de 1,90%, a 7.369,50 pontos.

* Com informações da Dow Jones Newswires