Estadão

Bolsas de NY fecham em baixa com aversão global a risco e incerteza sobre China

As bolsas de Nova York fecharam em queda no pregão desta quinta-feira, 8, marcado por uma aversão a risco generalizada no exterior. Um dos motivos para a cautela dos investidores foi o avanço da variante delta do coronavírus, que é mais contagiosa e já levou vários países a impor novas restrições à atividade econômica. Além disso, houve preocupação com a economia chinesa, após o país asiático anunciar medidas para estimular a atividade.

O Dow Jones recuou 0,75%, a 34.421,93 pontos, o S&P 500 caiu 0,86%, a 4.320,82 pontos, e o S&P 500 teve baixa de 0,72%, a 14.559,78 pontos. Ontem, dois dos principais índices acionários haviam renovado as máximas históricas de fechamento.

"Os mercados dos EUA seguiram as quedas acentuadas de hoje na Ásia e na Europa, abrindo em baixa, depois de terem atingido novos recordes ontem", escreveu o analista-chefe de mercado da CMC Markets, Michael Hewson, no começo da sessão.

A preocupação do mercado com a pandemia de covid-19, em meio à disseminação da cepa delta do vírus, aumentou hoje após o Japão decidir que os Jogos Olímpicos de Tóquio não contarão com presença de público. O anúncio foi feito pela ministra das Olimpíadas, Tamayo Marukawa, após o país entrar em estado de emergência até 22 de agosto devido à piora da crise de saúde.

"As ações dos EUA apontam para uma abertura acentuadamente baixa em meio a preocupações sobre um pico potencial na recuperação global, queda nos rendimentos dos Treasuries e a variante delta", destacaram analistas da LPL Financial pela manhã.

Enquanto isso, a retomada na China também gerou incertezas. O país asiático informou que vai utilizar instrumentos de política monetária, como cortes nos compulsórios dos bancos, para estimular a economia real. A última vez que Pequim reduziu compulsórios bancários foi em abril de 2020, no auge da crise gerada pela pandemia.

Indicadores econômicos os EUA também vieram pior do que o esperado por analistas. Os pedidos semanais de auxílio-desemprego subiram 2 mil na semana, a 373 mil. A previsão era de um recuo a 350 mil.

No S&P 500, o subíndice do setor financeiro liderou as quedas (-1,96%). As ações do Well Fargo, que anunciou hoje o fim de suas linhas de crédito pessoais, recuaram 2,49%, as do Morgan Stanely cederam 2,65% e as do Bank of America caíram 2,44%. Segundo Hewson, da CMC Markets, os bancos foram penalizados pela queda nos juros dos Treasuries, diante da busca por segurança.

O papel do Alphabet, por sua vez, recuou 1,13%. Hoje, dezenas de Estados americanos processaram a controladora do Google por suposto monopólio na loja de aplicativos Google Play.

Ainda sob efeito da interferência da China, o ADR da Didi Global em NY recuou 5,88%. Ontem, o principal órgão regulador de mercado chinês multou subsidiárias da empresa de tecnologia, em meio a um crescente cerco de Pequim ao setor. Recentemente, a Didi concluiu uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) nos EUA.