Início » Bolsonaro ameaça pilares da democracia, afirma ONG Human Rights Watch
Estadão

Bolsonaro ameaça pilares da democracia, afirma ONG Human Rights Watch

"O presidente Jair Bolsonaro está ameaçando os pilares da democracia brasileira", assim começa um documento publicado nesta quarta-feira, 15, pela organização não governamental Human Rights Watch (HRW). Para a entidade, os discursos recentes do presidente "fazem parte de um padrão de ações e declarações" que "parecem destinadas a enfraquecer os direitos fundamentais, as instituições democráticas e o Estado de Direito no Brasil", aponta a ONG.

O texto, divulgado na data em que se comemora o Dia da Democracia, cita que nas últimas semanas o chefe do Executivo buscou intimidar o Supremo Tribunal Federal (STF), além de ameaçar a realização das eleições de 2022.

O discurso feito por Bolsonaro no 7 de Setembro diante de apoiadores na Avenida Paulista também é mencionado no documento, que destaca ainda que o presidente da República "viola a liberdade de expressão daqueles que o criticam".

<b> Apologista da ditadura militar </b>

Para o diretor da Human Rights Watch das Américas, José Miguel Vivanco, Bolsonaro é "um apologista da ditadura militar no Brasil, está cada vez mais hostil ao sistema democrático de freios e contrapesos". "Ele está usando uma mistura de insultos e ameaças para intimidar a Suprema Corte, responsável por conduzir as investigações sobre sua conduta, e com suas alegações infundadas de fraude eleitoral parece estar preparando as bases para tentar cancelar as eleições do próximo ano ou contestar a decisão da população se ele não for reeleito."

Ao longo do documento, a Human Rights Watch cita datas, eventos e declarações de Bolsonaro sobre fraude nas eleições, disseminação de fake news sobre o sistema eleitoral e a tentativa barrada pelo STF de suspender a lei de acesso à informação.

<b>Ataques ao STF</b>

O texto cita nominalmente o ministro Alexandre de Moraes, do STF, um dos principais alvos do presidente e de seus apoiadores nas últimas semanas. Desde outubro do ano passado, o magistrado é o relator do inquérito sobre interferência na Polícia Federal.

Também lembra que, em 4 de agosto, Moraes determinou a instauração de uma investigação sobre o Bolsonaro por suas alegações sem provas sobre fraude eleitoral e que, como resposta, o presidente encaminhou ao Senado um pedido de impeachment do ministro – que foi rejeitado no Senado -, algo inédito desde que a democracia foi restaurada no Brasil em 1985.

"O Supremo Tribunal Federal tornou-se um dos principais freios das políticas anti-direitos humanos do presidente Bolsonaro, como por exemplo, seu esforço para, na prática, suspender a lei de acesso à informação. Em vez de respeitar a independência do sistema judiciário, o presidente tem respondido com insultos e ameaças", aponta o texto.

"As ameaças do presidente Bolsonaro de cancelar as eleições e agir fora da constituição em resposta às investigações contra ele são imprudentes e perigosas", avalia Vivanco, que diz que a "comunidade internacional deve mandar uma mensagem clara" ao presidente brasileiro "de que a independência do Judiciário significa que os tribunais não estão sujeitos às suas ordens".

<b>Liberdade de expressão</b>

No texto, a ONG também afirma que Bolsonaro tem violado a liberdade de expressão, "vital para uma democracia saudável", ao bloquear seguidores que o criticam nas redes sociais. Relatório publicado pela Human Rights Watch em agosto aponta que o presidente bloqueou ao menos 176 perfis de oposição ao governo em suas redes sociais.

"Seu governo requisitou a instauração de inquéritos criminais contra pelo menos 16 críticos, incluindo jornalistas, professores universitários e políticos. Mesmo que muitos desses casos tenham sido arquivados sem denúncias, as ações do governo mandam a mensagem de que criticar o presidente pode levar à perseguição", diz a Human Rights Watch.

A íntegra do documento pode ser conferida no seguinte endereço na internet: <a href="https://www.hrw.org/pt/news/2021/09/15/379911" target=_blank><u>https://www.hrw.org/pt/news/2021/09/15/379911</u></a>