Cidades

Campanha de vacinação contra a raiva deve ser realizada ainda em novembro

O procedimento foi suspenso em 2010 após a morte de alguns animais também em Guarulhos

A realização de novas análises laboratoriais da vacina antirrábica para cães e gatos – para evitar que ocorram reações adversas nos animais – provocaram atrasos em relação ao cronograma da campanha de vacinação. Mas, segundo o Ministério da Saúde as vacinas estão previstas para começarem a ser distribuídas a partir de novembro, em quantidade suficiente para atender a todos os estados que ainda não receberam o imunobiológico, inclusive São Paulo.

No ano passado, três animais morreram e outros 38, entre cachorros e gatos, sofreram com alergias após a aplicação pública de vacina antirrábica na cidade. Três outros morreram. Dado à importância da vacinação de cães e gatos, como medida de prevenção e controle da raiva humana, o Ministério da Saúde realizou uma análise da situação epidemiológica no país. Desta forma, São Paulo não estava entre os estados prioritários – aqueles que apresentaram casos de raiva canina ou humana nos últimos três anos.

O Estado não apresenta casos de raiva humana transmitida por um cão desde janeiro de 1997. E, em 1998, também foi registrado o último caso de transmissão de cão para cão. São Paulo, portanto, será incluído na etapa de distribuição da vacinação de novembro.

No entanto, para a aposentada Doralice Aparecida Palumbo, 68 anos, o fato da campanha ainda não ter acontecido não é motivo para preocupação. "Tenho 12 cães em casa, mas um ano sem vacina contra a raiva não vai mudar em muita coisa o estado de saúde deles".

Segundo o médico veterinário Paulo Carnauba, o preço da vacina contra a raiva em clínicas particulares varia conforme a época. "Durante a campanha de vacinação antirrábica os distribuidores de vacina abaixam os preços e repassamos as doses no valor de até R$ 10,00. Fora da época de campanha, é vendida entre R$ 20,00 e R$ 25,00.