Economia

Chinesa Baidu compra brasileira Peixe Urbano

O Baidu, o maior buscador da China, conhecido como o “Google chinês”, anunciou na quinta-feira, 09, a compra do controle do site brasileiro Peixe Urbano, por um valor não revelado. Considerada uma das dez maiores empresas de internet do mundo, com mais de 700 milhões de usuários e valor de mercado estimado em R$ 180 bilhões, o Baidu aposta no Peixe Urbano para se aproximar do usuário de internet brasileiro.

“Estávamos procurando um parceiro que nos oferecesse a melhor forma de facilitar o acesso dos brasileiros aos nossos serviços. Durante as conversas percebemos que havia muita sinergia entre os negócios”, disse Yan Di, diretor da operação brasileira do Baidu.

As conversas entre as duas empresas começaram em julho, quando o Baidu estreou no Brasil. Na época, o diretor executivo mundial da empresa, Robin Li, e o diretor da operação brasileira, Yan Di, recorreram a Júlio Vasconcelos, cofundador do Peixe Urbano, para entender o mercado de tecnologia brasileiro. Em setembro, Vasconcelos viajou a Pequim, para conhecer a sede do Baidu.

“Percebemos que o Baidu tem muita experiência no mercado de O2O (online-to-offline) e na venda de serviços na web. Com a aquisição podemos turbinar as mudanças que já estávamos fazendo tanto no nosso site quanto no aplicativo móvel”, disse Vasconcelos, que garante que a equipe à frente do Peixe Urbano continuará intacta e operando de forma independente na sua sede, no Rio de Janeiro.

Para o Baidu, a aquisição é um indicativo de que o Brasil é um País prioritário para alcançar a meta de ter seus produtos reconhecidos e utilizados pela metade da população do mundo até 2019. Por isso, viu a base de 25 milhões de usuários e 30 mil empresas cadastrados no Peixe Urbano como um atrativo.

A principal aposta das empresas é em dispositivos móveis. “A demanda por serviços nesse segmento está aumentando. Queremos introduzir tecnologia de ponta no Peixe Urbano para que ele seja líder do mercado”, diz Yan, que não descarta outras aquisições no País.

Mudança

O Peixe Urbano enfrentou dificuldades com a queda do mercado de compras coletivas e precisou remodelar seu negócio, após viver uma crise em 2012. Em seus tempos áureos, chegou a ter mais de mil funcionários. Hoje tem uma equipe de 280 pessoas.

Desde o início do ano o site se posiciona como um “shopping de descontos” para o usuário buscar promoções específicas em sua região – o que, segundo Vasconcelos, elevou o faturamento da empresa em 20% no primeiro trimestre deste ano. “O Peixe Urbano estava tentando se reinventar, mas não estava conseguindo. Acredito que eles perceberam que a melhor coisa a fazer era vender o negócio agora”, disse ao Estado uma fonte próxima ao negócio.

O Peixe Urbano recebeu três rodadas de investimento desde a sua criação, em 2010, de seis fundos de investimento, como Monashees Capital e General Atlantic, no qual teria levantado cerca de R$ 200 milhões, segundo estimativas do mercado. O valor de venda, porém, teria ficado bem abaixo desse total. “O preço discutido na aquisição de outros sites de compra coletiva era de R$ 1 por e-mail. Acredito que a base do Peixe Urbano valha mais, mas considerando que eles têm 25 milhões de usuários, não foi um valor alto “, disse a mesma fonte. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.