Cidades

CICLOVIA DA MENTIRA – Ciclofaixa da Paulo Faccini coloca usuários em risco

A ciclofaixa da Paulo Faccini, que se estende pela avenida Salgado Filho até o início da Transguarulhense, não passa de um instrumento de propaganda da Prefeitura que funciona sem as mínimas condições de segurança.

Três semanas atrás, dois garotos de pouco mais de 10 anos se enroscaram com suas bikes quase em frente ao Bosque Maia e foram ao chão. Como estavam muito próximos à barreira de cones, um deles caiu na faixa destinada aos carros. O condutor do automóvel conseguiu frear a tempo e evitar uma tragédia.

Para tentar manter a harmonia entre bicicletas e automóveis, nos cruzamentos com as ruas e avenidas que atravessam a ciclofaixa, a Prefeitura coloca um exército de servidores para orientar com bandeiras os momentos de parada. Como é em um domingo, recebem horas extras e geram custos a mais (não revelados) aos cofres públicos. Mesmo quando chove, eles ficam lá levantando a bandeira para os poucos gatos pingados que se arriscam a enfrentar a água em cima de duas rodas.

Apesar de ter sido implantada há mais de um ano e meio, até hoje o serviço de locação de bicicletas não foi normatizado. Uma tenda é instalada na frente do Bosque Maia e uma empresa particular explora (e lucra) com o serviço de empréstimo de bikes. Porém, não é constante. Basta a realização de qualquer evento na região para que a ciclofaixa (chamada de ciclovia na propaganda do Almeida) seja suspensa, como ocorreu nos últimos dois domingos seguidos.

 

Leia Mais:

Em Guarulhos, a mentira vem de bicicleta

 
 
 
 
 
 
 

Comentar

Clique aqui para comentar