Economia

Cresce número de grevistas na Embraer nesta 5ª feira

Os metalúrgicos do primeiro turno da Embraer também aderiram, nesta quinta-feira, 6, à paralisação iniciada na quarta-feira, 5, pelos trabalhadores do segundo turno da empresa, informou o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região. Com a adesão da equipe matutina, 100% da produção da sede da Embraer, em São José dos Campos (SP), está parada, informa a entidade. “Esta é a primeira vez, desde a privatização (em 1994), que acontece uma greve por tempo indeterminado na Embraer”, diz o sindicato, em nota. Ao todo, a empresa possui aproximadamente 13 mil trabalhadores em São José dos Campos, sendo quase 10 mil na sede – onde a greve se realiza.

Os metalúrgicos reivindicam 10% de reajuste salarial, o que corresponde a 3,43% de aumento real, além do congelamento do valor do desconto do convênio médico e estabilidade no emprego. O porcentual é significativamente acima da última proposta da Embraer e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), que ofereceram 7,4% de aumento para as empresas do setor aeronáutico. A última rodada de negociação entre o grupo patronal do setor e o sindicato aconteceu no dia 29 de outubro e não há nova reunião prevista.

Além da Embraer, metalúrgicos de outras cinco fábricas do setor aeronáutico também já rejeitaram a proposta de 7,4%: Latecoere, Graúna, Sobraer, Sopeçaero e Alestis. Todas são parceiras da Embraer, a maior empregadora metalúrgica da região. O sindicato avalia que o reajuste proposto pela Embraer representa apenas 1% de aumento real de salário e está abaixo do que os metalúrgicos de outras fábricas da região já conseguiram. Segundo a entidade, já foram fechados mais de 80 acordos, entre 9% e 11%.

Comentar

Clique aqui para comentar